Política

Pré-candidato, Paulo Matos espera cúpula do PSC para comentar prisão do presidente nacional

O presidente estadual do PSC em Mato Grosso do Sul, Paulo Matos, também pré-candidato a prefeito de Campo Grande, vai conversar com a cúpula do partido antes de se manifestar publicamente sobre a prisão na manhã desta sexta-feira (28), do presidente nacional da legenda, Pastor Everaldo. Everaldo foi preso no Rio de Janeiro pela Polícia […]

Renata Volpe Publicado em 28/08/2020, às 08h29 - Atualizado às 13h38

Pastor Everaldo ao lado de Paulo Matos, em agosto do ano passado. (Arquivo Pessoal, Facebook)
Pastor Everaldo ao lado de Paulo Matos, em agosto do ano passado. (Arquivo Pessoal, Facebook) - Pastor Everaldo ao lado de Paulo Matos, em agosto do ano passado. (Arquivo Pessoal, Facebook)

O presidente estadual do PSC em Mato Grosso do Sul, Paulo Matos, também pré-candidato a prefeito de Campo Grande, vai conversar com a cúpula do partido antes de se manifestar publicamente sobre a prisão na manhã desta sexta-feira (28), do presidente nacional da legenda, Pastor Everaldo.

Everaldo foi preso no Rio de Janeiro pela Polícia Federal, após mandado expedido pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) que também afastou o governador carioca, Wilson Witzel do cargo, por 180 dias. As denúncias são de desvio de recursos da saúde. 

Em conversa com o Jornal Midiamax na manhã de hoje, Matos afirmou não estar na cidade e soube da notícia antes da reportagem entrar em contato com ele. “Soube da notícia pouco antes de você me ligar. Preciso conversar com a cúpula nacional do partido antes de me manifestar publicamente. Acabei de saber o que está acontecendo e durante a tarde, posso dar as informações certas”.

Assim, o pré-candidato assumiu a liderança estadual do PSC no fim do ano passado. “Não posso falar sobre algo que não sei, vou tomar conhecimento antes de me manifestar. Fui pego de surpresa”.

Pré-candidatos

Contudo, Paulo Matos deve disputar a prefeitura de Campo Grande com mais 16 pré-candidatos a prefeito, nas eleições 2020.

Matos foi diretor-presidente da Emha (Empresa Municipal de Habitação) enquanto Nelsinho Trad era prefeito da cidade. Ele era filiado ao DEM, antes de trocar de partido.

Jornal Midiamax