Política

Moção de congratulação a Bolsonaro gera discussão entre parlamentares de MS

Moção de congratulação ao presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) apresentada nesta quinta-feira (25) pelo deputado estadual Coronel David (sem partido), gerou discussão entre bolsonaristas e petistas em sessão remota da Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul). David apresentou moção ao presidente, pela aprovação de matérias de alcance nacional, como mu...

Renata Volpe Publicado em 25/06/2020, às 12h29 - Atualizado às 13h56

Coronel David (Foto: Luciana Nassar, Alems)
Coronel David (Foto: Luciana Nassar, Alems) - Coronel David (Foto: Luciana Nassar, Alems)

Moção de congratulação ao presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) apresentada nesta quinta-feira (25) pelo deputado estadual Coronel David (sem partido), gerou discussão entre bolsonaristas e petistas em sessão remota da Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul).

David apresentou moção ao presidente, pela aprovação de matérias de alcance nacional, como mudanças no código de trânsito brasileiro. “Projeto que aumenta o prazo de validade de CNH, o outro sobre o combate ao desperdício de alimentos e também sobre o marco legal do saneamento básico”.

Sobre o saneamento básico, o deputado afirmou ser uma grande vitória por ter sempre sido colocado em segundo plano. “O histórico das administrações públicas mostra que as obras sanitárias abaixo da visão da população nem sempre tiveram reconhecimento devido e o marco permite que as pessoas tenham acesso ao saneamento básico, permite a privatização do setor”.

Em resposta, Cabo Almi (PT) disse reconhecer as conquistas, mas afirmou que são poucas. “É muito pouco para líder de governo e em comparação com o prejuízo que ele trouxe ao brasileiro. É um governo sem proposta e ação, acanhado, que tirando a reforma da Previdência, onde o efeito ainda não surgiu até agora e o PIB só diminui”.

Coronel David se disse feliz pelo PT reconhecer a grande conquista de Bolsonaro. “Não concordo com o senhor que acha pequena a conquista, mas é governo que não tem resquício de corrupção. Não se pode esquecer que o PT roubou a nação brasileira, meteu a mão no bolso do brasileiro e hoje temos que pagar vários pecados cometidos pelo PT”.

Por sua vez, Pedro Kemp (PT) afirmou não concordar com ataques ‘baratos’ em cima dos governantes do PT. “Quem fala que o PT roubou, precisa limpar a boca. O governo Bolsonaro já acabou, eu sentiria vergonha de defender Bolsonaro que está atolado em porcaria”.

Kemp acusou o presidente da República de ser ligado a milícia do Rio de Janeiro e ter sido eleito por fake news. “O caso Queiroz vem expor a podridão do governo. Como o advogado do presidente que não sai do Palácio do Planalto tem Queiroz escondido há mais de um ano”, questionou.

Por fim, o petista disse que Bolsonaro é assassino, devido a pandemia do coronavírus. “Qual foi o último pronunciamento dele sobre medidas que podem ser adotadas para combater a pandemia? 60 mil vidas foram perdidas. Ele é um assassino que não tem coragem de se pronunciar”.

Jornal Midiamax