Política

Marquinhos terá segunda maior base de apoio no Legislativo entre 25 eleitos

Das 29 cadeiras, coligação do prefeito reeleito conquistou 15 vagas

Adriel Mattos Publicado em 30/11/2020, às 11h52 - Atualizado às 17h46

Marquinhos discursa na sessão solene da Câmara que abriu o ano legislativo. (Foto: Izaias Medeiros, Câmara Municipal)
Marquinhos discursa na sessão solene da Câmara que abriu o ano legislativo. (Foto: Izaias Medeiros, Câmara Municipal) - Marquinhos discursa na sessão solene da Câmara que abriu o ano legislativo. (Foto: Izaias Medeiros, Câmara Municipal)

Reeleito no primeiro turno das eleições de 2020, o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), terá a segunda maior base de apoio na Câmara Municipal entre os 25 eleitos em novembro. Levantamento do portal G1 apontou que 59% das 29 cadeiras serão ocupadas por aliados de Trad.

No total, a coligação do prefeito elegeu 15 vereadores. E seu partido, o PSD, passou a ter maior bancada, com cinco representantes.

As 14 vagas restantes ficaram com Avante, Solidariedade, Podemos, PT, PSL, PDT, PP e MDB, partidos que tiveram candidatos próprios à prefeitura ou compunham outras alianças.

Apesar disso, isso não significa que todos eles farão oposição. Há a possibilidade de alguns parlamentares serem independentes, votando contra ou a favor de pautas do Executivo conforme a ocasião.

Bruno Reis (DEM), eleito em Salvador (BA), terá o maior base entre todos os eleitos. 72% das 43 cadeiras no Legislativo ficaram com eleitos por sua coligação, o que representa 31 votos garantidos.

Por outro lado, Delegado Pazolini (Republicanos), que venceu em Vitória (ES), terá a menor base: apenas 7% das vagas ficaram com eleitos por sua aliança.

Brasília (DF) não tem prefeito e Macapá (AP) ainda não realizou a eleição devido à crise energética que o estado do Amapá atravessa atualmente. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) agendou os dois turnos para dezembro.

Jornal Midiamax