Política

Gravação flagra prefeito de Jardim pressionando diretora a renunciar para esposa assumir

Candidato à reeleição, Guilherme Monteiro (PSDB) sugere destituir direção da Rede Feminina de Combate ao Câncer.

Jones Mário Publicado em 14/11/2020, às 15h34 - Atualizado às 16h33

Guilherme e Robertha Monteiro, prefeito e primeira-dama de Jardim (Foto: Reprodução/Facebook)
Guilherme e Robertha Monteiro, prefeito e primeira-dama de Jardim (Foto: Reprodução/Facebook) - Guilherme e Robertha Monteiro, prefeito e primeira-dama de Jardim (Foto: Reprodução/Facebook)

O prefeito de Jardim e candidato à reeleição, Guilherme Alves Monteiro (PSDB), foi gravado pressionando a ex-presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer da cidade a deixar o cargo. A ideia era destituir a diretora para dar lugar a sua esposa, Robertha Peixoto Monteiro.

O áudio da conversa circula nas redes sociais neste sábado (14), véspera da votação [ouça ao fim deste texto]. No diálogo, Monteiro fala da possibilidade de nomear Robertha para a Secretaria Municipal de Assistência Social, mas que foi descartada pelos dois.

O prefeito diz que a esposa se sentiria melhor ajudando na Rede Feminina e passa a cercar a então presidente da entidade sobre a possibilidade de alçar Robertha ao cargo. “Ela precisa aparecer mais”, justificou.

A diretora argumenta que sua saída seria inviável diante do que diz estatuto e regimento interno da Rede Feminina, uma vez que estaria no meio de um mandato de dois anos. Ela oferece a função de vice, logo rejeitada por Guilherme Monteiro.

O prefeito fala em destituir todo o comando da entidade e sugere que a presidente procure a direção regional para viabilizar a primeira-dama no cargo.

Além da esposa, o tucano cita também a intenção de incluir a mãe, Deise Alves Monteiro, na Rede Feminina de Combate ao Câncer.

Prefeito admite diálogo

Procurado pela reportagem, Guilherme Monteiro admitiu a conversa, mas justificou que “queria saber se existia um interesse da equipe de ter Robertha à frente, se existia a possibilidade disso”. Segundo ele, o mandato da então presidente estaria vencendo, ao contrário do que ela diz na gravação.

O prefeito alega que o diálogo aconteceu há três anos e, ao fim, Robertha não assumiu o cargo. Já a Rede Feminina não conseguiu renovar convênio com a prefeitura, e “ficou completamente desativada”, disse Monteiro.

Além disso, o candidato à reeleição atribuiu a divulgação do áudio a uma “questão política” e adiantou que vai acionar a Justiça.

Já Robertha Peixoto Monteiro foi às redes sociais para dizer que “gente do mais baixo nível, pessoas doentes e completamente desequilibradas, desenterram coisas que nunca se realizaram”.

“Sugiro que nestas últimas horas de política, as pessoas se controlem pois vão colher o que plantaram”, continuou.

Guilherme Monteiro tem cinco adversários nas urnas este ano – Daniel Lemos (PSL), Dra. Clediane (DEM), Dr. Erney Barbosa (PSD), Jaime Echeverria (Patriota) e Pastor Daniel (Republicanos).

Jornal Midiamax