Política

Em MS, 136 candidatos chegam na véspera das eleições com registro em xeque na Justiça

Campo Grande tem 18 concorrentes com pendências, que podem ter votos anulados em caso de decisão desfavorável na Justiça Eleitoral.

Jones Mário Publicado em 14/11/2020, às 08h58 - Atualizado às 16h49

Sede do TRE-MS em Campo Grande (Foto: Leonardo de França/Midiamax)
Sede do TRE-MS em Campo Grande (Foto: Leonardo de França/Midiamax) - Sede do TRE-MS em Campo Grande (Foto: Leonardo de França/Midiamax)

Pelo menos 136 candidatos a prefeito, vice ou vereador em Mato Grosso do Sul nestas eleições chegam na véspera do pleito com pendências na Justiça Eleitoral. O número equivale a 1,6% do total de concorrentes registrados nos 79 municípios do Estado.

Segundo informações do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 102 candidatos barrados ainda brigam nas instâncias para reverter o indeferimento. O caso mais emblemático em Campo Grande é o de Sérgio Harfouche (Avante), postulante à prefeitura, que prometeu recorrer da sentença do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral).

Outras 31 candidaturas deferidas em primeira instância são contestadas nos tribunais – entre elas, nove de concorrentes ao cargo de prefeito. Além disso, três candidatos têm registro ainda pendente de julgamento.

As candidaturas indeferidas chegam nas urnas com o status “sub judice”. Assim, uma decisão desfavorável depois do pleito pode anular os votos recebidos no domingo (15).

Ainda conforme o TSE, o motivo de indeferimento mais frequente é a ausência de requisitos de registro, que engloba desde a não apresentação de um documento até um impedimento legal. Mato Grosso do Sul tem 69 candidatos enquadrados nesta causa.

Outros 24 nomes esbarram na Lei da Ficha Limpa, ao passo que três concorrentes tiveram problemas com o registro do partido ou coligação.

Somente na Capital, 18 candidaturas estão em xeque na Justiça. Campo Grande tem 784 candidatos aptos este ano. Além disso, em Mato Grosso do Sul são 8.320 nomes.

Jornal Midiamax