Política

Em menos de um mês de campanha, candidatos a prefeito da Capital gastaram R$ 4,4 milhões

Candidatos a prefeito de Campo Grande entregaram à Justiça Eleitoral o detalhamento dos gastos parciais de campanha nestas eleições.

Jones Mário Publicado em 28/10/2020, às 16h20 - Atualizado em 29/10/2020, às 08h19

Candidatos a prefeito de Campo Grande (Arte: Deyvid Guimarães)
Candidatos a prefeito de Campo Grande (Arte: Deyvid Guimarães) - Candidatos a prefeito de Campo Grande (Arte: Deyvid Guimarães)

Os candidatos a prefeito de Campo Grande nestas eleições já comprometeram R$ 4,486 milhões de suas receitas em pouco menos de um mês de campanha.

Conforme calendário eleitoral, os concorrentes tinham até domingo (25) para enviar à Justiça Eleitoral a prestação de contas parcial. Os números correspondem à movimentação ocorrida do início da campanha, em 27 de setembro, até o dia 20 de outubro.

Dos 16 nomes que registraram candidatura, somente Cris Duarte (PSOL) e Thiago Assad (PCO) não declararam despesas contratadas.

De acordo com os extratos de prestação parcial encaminhados pelos candidatos à Justiça Eleitoral, pouco mais de um terço (ou R$ 1,752 milhão) das despesas ainda não foi efetivamente quitado.

A maior parte dos gastos honrados saíram de recursos do FEFC (Fundo Especial de Financiamento de Campanha) – R$ 2,380 milhões. Mais R$ 202,2 mil em despesas foram quitadas com dinheiro em espécie. Além disso, R$ 183,5 mil vieram de “outros recursos”.

Até aqui, apenas dois candidatos usufruíram de recursos do Fundo Partidário para financiar suas campanhas – Dagoberto Nogueira (PDT), com R$ 100 mil, e Sérgio Harfouche (Avante), com R$ 70 mil.

Arrecadação

Ao todo, os candidatos já arrecadaram R$ 6,081 milhões. Dagoberto Nogueira (PDT), com R$ 1,510 milhão, encabeça a lista. Por outro lado, Cris Duarte (PSOL) é a única que alegou nenhuma receita.

Os postulantes ao Executivo e ao Legislativo municipais nestas eleições têm até o dia 15 de dezembro para prestar contas de campanha. Após o prazo, a Justiça Eleitoral deve comunicar o candidato omisso para registrar a movimentação financeira em até 72 horas. Mesmo eleito, o concorrente que não prestar contas não pode ser diplomado.

Em menos de um mês de campanha, candidatos a prefeito da Capital gastaram R$ 4,4 milhões
Despesas contratadas por candidato a prefeito até 20 de outubro, segundo Justiça Eleitoral (Gráfico: Reportagem)
Em menos de um mês de campanha, candidatos a prefeito da Capital gastaram R$ 4,4 milhões
Receitas por candidato a prefeito de Campo Grande até 20 de outubro, segundo a Justiça Eleitoral (Gráfico: Reportagem)
Jornal Midiamax