Política

ELEIÇÕES 2020: Com 47% dos votos, Gilberto Garcia é reeleito prefeito de Nova Andradina

Gilberto Garcia (PL) foi reeleito prefeito de Nova Andradina, cidade no sudeste do Estado, com 47,7% dos votos válidos. O resultado das eleições de 2020 foi anunciado na noite deste domingo (15) pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul). Garcia encabeçou a chapa “Unidos por Nova Andradina” (PL / PDT / PDT […]

Adriel Mattos Publicado em 15/11/2020, às 21h54 - Atualizado às 21h58

Liberal teve 11.139 votos (Arte: Deyvid Guimarães / Jornal Midiamax)
Liberal teve 11.139 votos (Arte: Deyvid Guimarães / Jornal Midiamax) - Liberal teve 11.139 votos (Arte: Deyvid Guimarães / Jornal Midiamax)

Gilberto Garcia (PL) foi reeleito prefeito de Nova Andradina, cidade no sudeste do Estado, com 47,7% dos votos válidos. O resultado das eleições de 2020 foi anunciado na noite deste domingo (15) pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul).

Garcia encabeçou a chapa “Unidos por Nova Andradina” (PL / PDT / PDT / PCdoB) e teve quatro concorrentes: Roberto Hashioka (PSDB), com 39,57%; Dr. Omar (PSL), que teve 6,69%; Professor Tadao (PT), que alcançou 3,43%; e Engenheiro Moammar (Avante), com 2,6%.

Gilberto Garcia concluirá o mandato em 31 de dezembro deste ano, tomando posse no segundo período em 1º de janeiro de 2021.

Nova Andradina tem uma população estimada de 55.224 habitantes, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). E conforme o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 33.366 estavam aptos para votar.

Quem é

Graduado em Administração, Garcia tem 67 anos. Foi eleito prefeito pela primeira vez em 2008 e cumpriu apenas um mandato. Voltou ao cargo em 2016, vencendo Hashioka por uma diferença de 27 votos.

Histórico

Em 2004, Hashioka foi reeleito prefeito. Quatro anos depois, Gilberto Garcia se elegeu pelo PMDB. Hashioka voltou ao cargo pelo mesmo partido em 2012, mas perdeu a reeleição para Garcia em 2016.

Garcia teve o mandato cassado em 2017 por irregularidades em inserções de propaganda eleitoral no rádio, mas acabou inocentado pelo TRE.

No ano passado, Hashioka foi protagonista de uma polêmica, quando passou a circular nas redes sociais que ele recebia R$ 92 mil. Em entrevista ao Jornal Midiamax, ele justificou que os vencimentos foram acrescidos de verbas rescisórias referentes à sua passagem pelo Detran.

Jornal Midiamax