Política

Disputa pela prefeitura vira caso de polícia em Ivinhema

A briga pela cadeira de prefeito em Ivinhema, além de embates jurídicos em torno das propagandas no horário eleitoral, virou caso de polícia depois que o marido da candidata a vice de uma das coligações registrou boletim de ocorrência. Acusado pela coligação encabeçada por Rogério Câmara, do MDB (Movimento Democrático Brasileiro), de ter vendido o […]

Marcos Morandi Publicado em 24/10/2020, às 10h32

Delegacia de Polícia Civil de Ivinhema. (Foto: Divulgação)
Delegacia de Polícia Civil de Ivinhema. (Foto: Divulgação) - Delegacia de Polícia Civil de Ivinhema. (Foto: Divulgação)

A briga pela cadeira de prefeito em Ivinhema, além de embates jurídicos em torno das propagandas no horário eleitoral, virou caso de polícia depois que o marido da candidata a vice de uma das coligações registrou boletim de ocorrência.

Acusado pela coligação encabeçada por Rogério Câmara, do MDB (Movimento Democrático Brasileiro), de ter vendido o hospital há 20 anos, José Antônio Pereira Cardoso disse estar sendo vítima de calúnia.

Segundo ele, a propaganda eleitoral foi veiculada em horário eleitoral nas rádios da cidade há cinco dias. O caso foi registrado na delegacia de polícia de Ivinhema pelo ex-prefeito, que é marido da candidata a vice-prefeita na chapa de Juliano Ferro (DEM).

Jornal Midiamax