Política

Delei Pinheiro faz a biometria e fica mais perto de vaga na Câmara de Campo Grande

Falta no cadastramento da biometria de 2018 foi que motivou o indeferimento da candidatura de Delei Pinheiro (PSD) a vereador da Capital.

Jones Mário Publicado em 10/12/2020, às 14h34 - Atualizado às 14h40

Delei Pinheiro, candidato a vereador em Campo Grande pelo PSD (Foto: Reprodução/Facebook)
Delei Pinheiro, candidato a vereador em Campo Grande pelo PSD (Foto: Reprodução/Facebook) - Delei Pinheiro, candidato a vereador em Campo Grande pelo PSD (Foto: Reprodução/Facebook)

Delei Pinheiro aproveitou a reabertura do cadastro eleitoral, ontem (9), para fazer a biometria e regularizar sua situação na Justiça Eleitoral. O recadastramento aproxima o candidato do PSD de garantir uma vaga na Câmara de Vereadores de Campo Grande.

Isto porque a ausência no chamado do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para a revisão biométrica de 2018 foi o que motivou o cancelamento de seu título de eleitor e, consequentemente, o indeferimento de seu registro nas eleições deste ano.

Agora regularizado, Delei obteve uma certidão do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral) que comprova estar quite com a Justiça Eleitoral. Assim, ainda na noite de ontem (9), sua defesa apresentou pedido no recurso contra a impugnação para que a regularização seja reconhecida e o veto a sua candidatura derrubado.

Delei Pinheiro, Impugnação, Certidão, Biometria
Certidão comprova regularização cadastral de Delei Pinheiro (Foto: Reprodução)

Os advogados de Delei Pinheiro – José Rizkallah Júnior, Alexandre Alves Corrêa e Leticia Arrais do Carmo – se sustentam em brecha deixada pelo próprio relator do primeiro recurso contra a impugnação em primeira instância, o juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva. Na ocasião, o magistrado disse em seu voto que a Justiça Eleitoral poderia voltar a analisar o caso se o candidato conseguisse a regularização cadastral antes do trânsito em julgado do processo e da diplomação dos eleitos.

Além disso, a defesa de apóia também em decisão do TSE, de 2018. Na ocasião, a Corte reverteu a impugnação da candidatura para deputada estadual de Lia Gomes, irmã de Ciro Gomes (PDT), no Ceará. Ela também havia faltado ao recadastramento biométrico.

Dharleng Campos e MDB tentam interferir

Delei Pinheiro fez 3.850 votos nas eleições de 15 de novembro, que ficaram anulados sub judice, em razão do indeferimento da candidatura.

Se a Justiça Eleitoral derrubar a impugnação, seus votos passam a ser válidos e provocam uma nova totalização dos resultados da eleição. Assim, o PSD deve ganhar mais uma vaga na Câmara. Em contrapartida, o MDB pode perder uma de suas três cadeiras.

A mudança tiraria a reeleição de Dharleng Campos (MDB), vereadora eleita com menor desempenho, 1.782 votos. Ela e o MDB ingressaram com pedidos de intervenção para figurar como terceiros interessados no recurso contra a impugnação de Delei.

O processo agora aguarda decisão. Em despacho, hoje (10), o relator do recurso, juiz Djailson de Souza, deu um dia para manifestação do Ministério Público Eleitoral, bem como de Dharleng e do MDB, sobre a regularização da biometria de Delei Pinheiro.

Jornal Midiamax