Política

Câmara aprova isenção da taxa de iluminação para 35 mil famílias em Campo Grande

Em regime de urgência, os vereadores de Campo Grande aprovaram a isenção da Cosip (Custeio da Iluminação Pública) para 35 mil famílias inscritas na tarifa social da energia, durante três meses, devido à pandemia de coronavírus (Covid-19). Foram 21 votos favoráveis, nenhum contrário, mas sete parlamentares não estavam no plenário, portanto, deixaram de votar. A […]

Mayara Bueno Publicado em 28/04/2020, às 10h35 - Atualizado em 20/07/2020, às 01h46

Vereadores durante sessão na Câmara Municipal. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo).
Vereadores durante sessão na Câmara Municipal. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo). - Vereadores durante sessão na Câmara Municipal. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo).

Em regime de urgência, os vereadores de Campo Grande aprovaram a isenção da Cosip (Custeio da Iluminação Pública) para 35 mil famílias inscritas na tarifa social da energia, durante três meses, devido à pandemia de coronavírus (Covid-19). Foram 21 votos favoráveis, nenhum contrário, mas sete parlamentares não estavam no plenário, portanto, deixaram de votar.

A medida foi anunciada pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD) há duas semanas, quando o Projeto de Lei Complementar 686/20 foi apresentado na Casa de Leis. Contudo, até então, não tinha sido votado. As famílias da tarifa social foram isentas pelo governo federal, de pagar contas de energia elétrica, mas os impostos administrados pelo Estado e município continuariam a ser cobrados, caso projetos de isenção não fossem aprovados.

Pelo Governo do Estado, é cobrado ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), já isento, e, pelo Executivo municipal, é a Cosip, cuja anulação temporária foi aprovada nesta terça-feira. Em Campo Grande, há 35 mil famílias que se enquadram na medida.

Votaram a favor

Os vereadores Delegado Wellington, Ademir Santana, Enfermeira Cida Amaral, Junior Longo, todos do PSDB, votaram a favor. Além deles, Enfermeiro Fritz, Chiquinho Telles, Odilon de Oliveira, Otávio Trad e Valdir Gomes, da bancada do PSD, também.

Do MDB, os parlamentares Dr. Loester, Dharleng Campos e Dr. Sami. Pastor Jeremias, do Avante, votou favorável, assim como Veterinário Francisco (PSB), Carlão (PSB), Gilmar da Cruz (Republicanos), Betinho (Republicanos), Cazuza (PP), Ayrton Araújo (PT), Willian Maksoud (PTB) e Eduardo Romero (Rede).

Estavam ausentes no plenário, portanto, não votaram a medida, os vereadores Antônio Cruz, Dr. Lívio, João César Mattogrosso, os três do PSDB, além de Papy (SD), André Salineiro (Avante). Dr. Cury (DEM) e Vinicius Siqueira (PSL) também não estavam presentes, mas enviaram justificativas anteriormente.

Jornal Midiamax