Política

Câmara vota criação de programa sobre coleta de lixo eletrônico e mudança de nome de praças

Estão na pauta de discussão da Câmara Municipal de Campo Grande, nesta quinta-feira (14), projeto que cria programa de coleta contínua de lixo eletrônico, com o estabelecimentos de postos de coleta em órgãos públicos da Capital. Segundo a Casa de Leis, a medida será votada em primeira discussão e é de autoria do vereador Otávio […]

Mayara Bueno Publicado em 14/05/2020, às 07h38

Vereadores durante sessão ordinária na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo).
Vereadores durante sessão ordinária na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo). - Vereadores durante sessão ordinária na Câmara Municipal de Campo Grande. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo).

Estão na pauta de discussão da Câmara Municipal de Campo Grande, nesta quinta-feira (14), projeto que cria programa de coleta contínua de lixo eletrônico, com o estabelecimentos de postos de coleta em órgãos públicos da Capital.

Segundo a Casa de Leis, a medida será votada em primeira discussão e é de autoria do vereador Otávio Trad (PSD). Está prevista também campanhas de conscientização da população sobre riscos à saúde e ao meio ambiente com o descarte inadequado de lixo eletrônico.

Em segunda votação, está pautado o projeto que denomina Praça Esportiva Disvaldo de Souza Bezerra a área localizada entre as Avenidas Araticum, Grande Floresta e Baobá e Rua Anacá, na Moreninha III, proposta pelos vereadores Chiquinho Telles (PSD) e Pastor Jeremias Flores (Avante).

Outra medida em segunda análise é a denominação de Praça Artemizia da Silva Lima, localizada no Bairro Guanandi, projeto de lei do vereador Veterinário Francisco (PSB). A Câmara de Campo Grande ainda pode votar propostas em regime de urgência, que só são pautados no momento da ordem do dia.

Com restrições em relação a aglomerações devido à pandemia de coronavírus, as sessões são restritas no plenário e acontecem só com vereadores e servidores na Casa de Leis. População e imprensa estão impedidos de acompanhar presencialmente. A reunião, que começa geralmente a partir de 9h30, pode ser acessada no Facebook da Câmara, clicando aqui.

Jornal Midiamax