Política

Câmara de Campo Grande testa transmissões de forma remota na quarta-feira

Plataforma para sessões remotas, que pode ser adotada quando os vereadores de Campo Grande voltarem do recesso parlamentar, será testada na live de quarta-feira (15), segundo a Casa de Leis. Nesta terça-feira (14), o presidente João Rocha (PSDB) anunciou a medida e também falou que todos os parlamentares formarão a comissão de recesso. Em ocasiões […]

Mayara Bueno Publicado em 14/07/2020, às 12h24 - Atualizado em 19/07/2020, às 19h52

Câmara de Campo Grande entra de recesso parlamentar nesta semana. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo).
Câmara de Campo Grande entra de recesso parlamentar nesta semana. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo). - Câmara de Campo Grande entra de recesso parlamentar nesta semana. (Foto: Izaías Medeiros, CMCG, Arquivo).

Plataforma para sessões remotas, que pode ser adotada quando os vereadores de Campo Grande voltarem do recesso parlamentar, será testada na live de quarta-feira (15), segundo a Casa de Leis.

Nesta terça-feira (14), o presidente João Rocha (PSDB) anunciou a medida e também falou que todos os parlamentares formarão a comissão de recesso. Em ocasiões normais, são nomeados cinco vereadores que ficam disponíveis quando as sessões estão suspensas, mas, devido à situação de emergência por causa da pandemia, todos foram listados.

A última sessão do semestre está marcada para quinta-feira (16), ainda com os vereadores presentes no plenário. A partir dessa data, as lives da Comissão Especial criada para discutir ações relacionadas ao coronavírus poderão ocorrer de forma remota, com os membros e participantes em suas casas.

O sistema é adotado pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul praticamente desde as primeiras sessões em meio à pandemia. A Câmara Municipal de Campo Grande, no entanto, permaneceu com as reuniões em plenário, mas sem presença da população e imprensa.

Segundo o presidente João Rocha, em entrevista no dia 10 de julho, a ferramenta poderá ser usada para eventual sessões durante o recesso, mas também em agosto, quando os trabalhos forem retomados. A possibilidade é aventada diante do aumento de casos de coronavírus em Campo Grande e o esgotamento da rede hospitalar.

Ainda de acordo com o presidente, a expectativa é que até 3 de agosto, quando o recesso parlamentar acabar, a situação esteja controlada para que a Casa de Leis volte ao expediente normal. A primeira reunião do segundo semestre está prevista em 4 de agosto.

Jornal Midiamax