Política

Após prisão do presidente do PSC, Paulo Matos diz que candidaturas seguem ‘firmes’ em MS

Após prisão do presidente do diretório nacional do PSC (Partido Social Cristão), pastor Everaldo, nesta sexta-feira (28), Paulo Matos afirmou que as pré-candidaturas da legenda seguem “firmes e estáveis”. Matos é presidente estadual do PSC e atual pré-candidato do partido para concorrer à Prefeitura de Campo Grande nas Eleições Municipais 2020. Everaldo foi preso no […]

Dândara Genelhú Publicado em 28/08/2020, às 17h57 - Atualizado às 18h02

Pastor Everaldo ao lado de Paulo Matos, em agosto do ano passado. (Arquivo Pessoal, Facebook)
Pastor Everaldo ao lado de Paulo Matos, em agosto do ano passado. (Arquivo Pessoal, Facebook) - Pastor Everaldo ao lado de Paulo Matos, em agosto do ano passado. (Arquivo Pessoal, Facebook)
Após prisão do presidente do diretório nacional do PSC (Partido Social Cristão), pastor Everaldo, nesta sexta-feira (28), Paulo Matos afirmou que as pré-candidaturas da legenda seguem “firmes e estáveis”. Matos é presidente estadual do PSC e atual pré-candidato do partido para concorrer à Prefeitura de Campo Grande nas Eleições Municipais 2020.
Everaldo foi preso no Rio de Janeiro pela Polícia Federal, após mandado expedido pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Além do presidente nacional do PSC, a operação também afastou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, do cargo por 180 dias. As denúncias são de desvio de recursos da Saúde.
Assim, o PSC passa a ser liderado pelo ex-senador Marcondes Gadelha, que tinha cargo de vice-presidente nacional da legenda. De acordo com nota oficial, a mudança é provisória.
Então, prestes a concorrer nas eleições deste ano, Matos destacou que o “calendário eleitoral do partido nos municípios brasileiros, bem como no Mato Grosso do Sul, segue sem alteração. Todas as pré-candidaturas, para prefeitos e vereadores da capital e interior estão firmes e estáveis”.
Por fim, a nota afirma que “O PSC/MS reitera que confia na Justiça e no amplo direito de defesa de todos os cidadãos e temos convicção de que, ao final do processo legal e de garantido o direito da ampla defesa, os fatos serão devidamente
esclarecidos”. A nota também assinada pelo presidente municipal de Campo Grande da legenda, Jeff Ceni.
Jornal Midiamax