Política

Após denúncias, líder do prefeito pede auxiliares nos ônibus para evitar passageiros em pé

Após inúmeras denúncias de passageiros sendo transportados em pé nos ônibus que circulam em Campo Grande, o líder do prefeito na Câmara Municipal, vereador Chiquinho Telles (PSD), encaminhou ofício nesta quarta-feira (8) pedindo que o Consórcio Guaicurus e Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) disponibilizem auxiliares dentro dos ônibus. A medida é para auxílio ao...

Danúbia Burema Publicado em 08/04/2020, às 15h54 - Atualizado às 16h11

Vereador Chiquinho Telles afirma que conversas de bastidores sobre eleições estão movimentadas.(Divulgação)
Vereador Chiquinho Telles afirma que conversas de bastidores sobre eleições estão movimentadas.(Divulgação) - Vereador Chiquinho Telles afirma que conversas de bastidores sobre eleições estão movimentadas.(Divulgação)

Após inúmeras denúncias de passageiros sendo transportados em pé nos ônibus que circulam em Campo Grande, o líder do prefeito na Câmara Municipal, vereador Chiquinho Telles (PSD), encaminhou ofício nesta quarta-feira (8) pedindo que o Consórcio Guaicurus e Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) disponibilizem auxiliares dentro dos ônibus. A medida é para auxílio aos motoristas no cumprimento da regra de transportar apenas passageiros sentados, como forma de evitar a propagação do novo coronavírus COVID-19.

Desde a retomada do transporte coletivo, na última segunda-feira (6), o Jornal Midiamax tem recebido inúmeras reclamações de passageiros. Dezenas de usuários têm reclamado da falta de ação de fiscais, que não estariam monitorando a lotação de passageiros em pé, conforme determinou a prefeitura. Além dos ônibus cheios, atrasos nas linhas também tem gerado revolta nos usuários.

“Temos que seguir as orientações das organizações e órgãos públicos da área da Saúde, que são o isolamento e distanciamento entre as pessoas. No caso dos ônibus, os usuários só podem ser transportados sentados, conforme decreto publicado pela Prefeitura”, disse Chiquinho, ressaltando que aglomerações precisam ser evitadas.

Ele disse entender a necessidade de retomada do funcionamento de determinados segmentos do comércio e do transporte coletivo para os trabalhadores, mas destacou que as medidas de segurança não podem ser descumpridas nesse processo.

“Reconheço que se a economia entrar em colapso, vai gerar muito sofrimento, principalmente às famílias que já se encontram em situação de vulnerabilidade social. No entanto, se não existirem vidas, não vai ter comércio. É preciso encontrar um ponto de equilíbrio para minimizar os graves impactos financeiros gerados pela crise do coronavírus, sem sacrificar vidas ”, avaliou.

Na avaliação do vereador, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) tem tomado todas as medidas necessárias para coibir a disseminação da pandemia, mas é preciso que haja apoio de toda a sociedade. “Temos que ser responsáveis pela nossa própria vida, e o melhor remédio para o novo coronavírus, até agora, tem sido o isolamento e distanciamento social”, ressaltou.

No primeiro dia da volta do transporte coletivo na Capital, o prefeito adiantou que se não houver cooperação e o transporte for meio de propagação da infecção, as medidas de abertura terão que ser revistas. Já na terça-feira (07) voltou a pedir colaboração sobre o assunto.

Jornal Midiamax