Política

Vereadores defendem Reinaldo no comando para evitar que PSDB saia ‘machucado’

Os vereadores do PSDB na Câmara Municipal de Campo Grande se dividem entre os que acompanham de perto as tratativas dentro do partido sobre o comando regional e aqueles que se mantêm alheios a disputa. Entre os primeiros, o discurso é de que o ideal seria chegar a um consenso entre os deputados federais Beto […]

Richelieu Pereira Publicado em 20/03/2019, às 08h57 - Atualizado às 19h41

Governador é tratado como maior líder do partido. (Foto: Divulgação/PSDB)
Governador é tratado como maior líder do partido. (Foto: Divulgação/PSDB) - Governador é tratado como maior líder do partido. (Foto: Divulgação/PSDB)
Vereadores defendem Reinaldo no comando para evitar que PSDB saia 'machucado'
Reinaldo Azambuja durante discurso na sede do partido. (Foto: Divulgação/PSDB)

Os vereadores do PSDB na Câmara Municipal de Campo Grande se dividem entre os que acompanham de perto as tratativas dentro do partido sobre o comando regional e aqueles que se mantêm alheios a disputa. Entre os primeiros, o discurso é de que o ideal seria chegar a um consenso entre os deputados federais Beto Pereira e Rose Modesto, com Reinaldo Azambuja como terceira via pacificadora.

Presidente municipal da legenda, o vereador João César Mattogrosso afirma que, a pouco mais de um ano das eleições, é preciso haver consenso para que o ninho tucano não saia “machucado”. “Não havendo esse consenso, em um não abrindo mão para o outro, nada melhor do que nosso líder maior Reinaldo Azambuja para comandar esse partido que tem dentro dele várias lideranças”, argumenta Mattogrosso.

Com Rose Modesto demonstrando insatisfação com esse possível desfecho, João César espera que a correligionária permaneça no ninho. “A Rose tem uma história bonita dentro do PSDB, ainda é uma jovem política e tem muito a contribuir com a política do nosso Estado. Se ela não for dessa vez, ela ainda será a nossa presidente”, avalia.

O vereador Dr. Lívio diz que Reinaldo “seria uma ótima opção”, mas que é necessário construir novas lideranças. “O ideal seria que o Beto e a Rose entrassem num acordo. Por outro lado, como o Beto teve a oportunidade de conduzir o partido nesses últimos anos, acho que é uma oportunidade para a Rose conduzir o diretório estadual”.

No entanto, Lívio confessa que não tem acompanhado a disputa interna, assim como Delegado Wellington e André Salineiro.

“A gente precisa verificar as propostas de o que é melhor para o partido e o maior líder do PSDB hoje é o governador. No momento acho que está frio ainda, não foi aquecido ainda essa situação. Acho que precisa ser conversado mais”, avalia Wellington.

Salineiro, por sua vez, é o mais distante de todos da questão partidária. “Não estou acompanhando se há uma disputa interna, o que vai acontecer para 2020. Não sei como está esse andamento. E acho que é precoce também qualquer tipo de decisão que venha a tomarem”, define.

Presidente da Câmara de Campo Grande, João Rocha diz ser “saudável que nós tenhamos nomes para assumir o partido. Dois nomes com musculatura política. O governador é o nosso líder e entendo que está se trabalhando num processo de amadurecimento de ideias”.

Rocha destaca que o ponto atualmente é avaliar entre Rose e Beto, e que não se deve “queimar etapas”. “Fica difícil dar uma opinião numa situação que ainda está sendo discutida. Acredito que nós vamos sair fortalecidos. Mesmo se tiver disputa, que é democrática”, conclui.

Jornal Midiamax