Política

Titular da Sesau diz que um dos desafios é desafogar o atendimento de urgência

O médico ortopedista José Mauro Filho tomou posse nesta sexta-feira (29) na Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) e disse que um dos desafios da sua gestão será desaforar o atendimento nas UPAs (Unidade de Pronto Atendimento) ou CRS (Centro Regional de Saúde), que hoje absorvem a assistência em urgência. O secretário foi oficialmente apresentado […]

Daiany Albuquerque Publicado em 29/03/2019, às 19h27 - Atualizado às 19h29

Novo secretário de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho, foi apresentado nesta tarde (Foto: Gabriel Torres/Midiamax)
Novo secretário de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho, foi apresentado nesta tarde (Foto: Gabriel Torres/Midiamax) - Novo secretário de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho, foi apresentado nesta tarde (Foto: Gabriel Torres/Midiamax)
Titular da Sesau diz que um dos desafios é desafogar o atendimento de urgência
Novo secretário de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho, foi apresentado nesta tarde (Foto: Gabriel Torres/Midiamax)

O médico ortopedista José Mauro Filho tomou posse nesta sexta-feira (29) na Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) e disse que um dos desafios da sua gestão será desaforar o atendimento nas UPAs (Unidade de Pronto Atendimento) ou CRS (Centro Regional de Saúde), que hoje absorvem a assistência em urgência. O secretário foi oficialmente apresentado na tarde de hoje, pelo prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD).

“Hoje a porta de entrada dos pacientes estão sendo via urgências, nas UPAs, gerando um alto número de pacientes, de consultas, e pouca resolutividade, é apenas atendido de forma emergencial. Então nós temos que rever um pouco o destino desses pacientes”, avaliou Filho.

O novo secretário, que é de Coxim, mas mora desde os 14 anos em Campo Grande, também afirmou que, como assumiu hoje a pasta, ainda precisa se atualizar melhor, mas declarou que o município precisa ter leitos de retaguarda e que a contratualização do Hospital do Trauma deve ser analisada. “É uma pauta importante para atendimento dos acidentados do trânsito, a gente tem sempre acompanhado”.

José Mauro também confirmou ser amigo do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM). Segundo ele, essa afinidade pode ajudar a trazer mais recursos para a saúde pública de Campo Grande.

“É um alinhamento histórico, acho que nunca houve essa possibilidade de se haver esse alinhamento político. Na esfera federal a gente tem visto um alinhamento político com o governo estadual e entrando hoje na secretaria é um motivo que vai tendenciar a melhorar esse relacionamento. Em todos os pontos que a gente discute na saúde pública, todos vão convergir numa questão final que, é o financiamento, e o grande gestor do financiamento é o federal”, afirmou o titular da Sesau.

Sobre a epidemia de dengue, o secretário afirmou que ela já está estabilizada e que deve diminuir com o passar do tempo, mas que a doença também é uma de suas preocupações ao assumir a pasta. Ex-funcionário da Santa Casa de Campo Grande, onde trabalhou por 12 anos (ele deixou hospital em 2017), José Mauro salientou que tem uma boa relação com o hospital e pretende manter esse relacionamento.

Em sua apresentação na tarde de hoje aos outros secretários municipais, Mauro brincou que sabia da responsabilidade, mas que “só de olhar a cara de vocês estou até preocupado”.

Além de Filho, o subsecretário de Saúde também assumiu o cargo nesta sexta-feira. O odontologista Rogério Souto foi secretário de saúde de Coxim por 5 anos, na gestão do atual prefeito, mas decidiu deixar a pasta para se mudar para a Capital.

“Tinha escolhido dar uma descansada em Campo Grande, minha esposa ia fazer um tratamento também, mas quando o José Mauro me ligou, não pude recusar, gosto de desafios”, declarou Souto, durante sua apresentação em reunião na prefeitura, na tarde de hoje.

Jornal Midiamax