Política

Senadora acredita que partido de Bolsonaro não será criado a tempo para eleições 2020

O Aliança pelo Brasil, partido em fase de criação pelo presidente Jair Bolsonaro, dificilmente estará pronto a tempo de participar das eleições municipais de 2020. A avaliação é da senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), que foi a convidada do Midiamax Entrevista desta segunda-feira (25). Em entrevista ao vivo, a senadora falou sobre seu primeiro mandato, as […]

Danúbia Burema Publicado em 25/11/2019, às 14h22 - Atualizado às 18h46

Soraya Thornicke durante o Midiamax Entrevista. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax, Arquivo).
Soraya Thornicke durante o Midiamax Entrevista. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax, Arquivo). - Soraya Thornicke durante o Midiamax Entrevista. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax, Arquivo).

O Aliança pelo Brasil, partido em fase de criação pelo presidente Jair Bolsonaro, dificilmente estará pronto a tempo de participar das eleições municipais de 2020. A avaliação é da senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), que foi a convidada do Midiamax Entrevista desta segunda-feira (25).

Em entrevista ao vivo, a senadora falou sobre seu primeiro mandato, as brigas entre integrantes do PSL de Mato Grosso do Sul e os planos partidários do presidente. A íntegra pode ser conferida clicando aqui. 

“Estive com Bolsonaro, que disse que já não está esperançoso que dê tempo”, afirmou Soraya, sobre os planos da nova legenda para o próximo ano. “Contando com esse tempo, eu como advogada, obrigatoriamente vejo esse lado, ele não está mais confiante na abertura do partido”, revelou a senadora.

Questionada sobre os mandatos de deputados que já anunciaram que irão acompanhar Bolsonaro no Aliança, ela disse que o único ‘dono do mandato’ é o deputado estadual Capitão Contar (PSL), que obteve votação acima do quociente eleitoral.

Ela acredita, contudo, que mesmo aqueles que não seguirem Bolsonaro continuam votando com ele. “O presidente não vai perder nenhum voto do PSL”, aposta a senadora, que mesmo com a criação do Aliança deve permanecer no PSL.

Jornal Midiamax