Política

Relator avalia retirar emenda e centralizar investigações no chefe do MPMS por PEC

Relator da emenda ao projeto do MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), o deputado Gerson Claro (PP) deixou aberta a possibilidade de retirada da proposta para que a centralização do poder de investigar pessoas com foro privilegiado no Estado se torne uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição). “Entendemos que o Ministério […]

Evelin Cáceres Publicado em 10/04/2019, às 09h10 - Atualizado às 17h12

Líder do governo, deputado Gerson Claro (PP). (Luciana Nassar, ALMS)
Líder do governo, deputado Gerson Claro (PP). (Luciana Nassar, ALMS) - Líder do governo, deputado Gerson Claro (PP). (Luciana Nassar, ALMS)

Relator da emenda ao projeto do MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), o deputado Gerson Claro (PP) deixou aberta a possibilidade de retirada da proposta para que a centralização do poder de investigar pessoas com foro privilegiado no Estado se torne uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição).

“Entendemos que o Ministério Público avançou, fez a parte dele. A nossa, dos deputados da Assembleia Legislativa, é garantir que cada um exerça o que tem competência. Há uma discussão para que a emenda seja retirada e que, no futuro, seja apresentada pela Casa uma PEC garantindo isso na Constituição Estadual”, declarou.

Com a possibilidade, os deputados querem garantir na Constituição de Mato Grosso do Sul que apenas o PGJ (procurador-geral de Justiça) realiza investigações a pessoas detentoras de foro privilegiado.

O chefe do MPMS, procurador Paulo Cézar dos Passos, garante não concordar com o posicionamento dos deputados e afirma que mesmo que haja mudanças estaduais, elas seriam inconstitucionais, já que a atribuição de delegar funções aos promotores para investigações, como acontece atualmente e é questionada pelos deputados, está garantida na Constituição Federal.

Claro discorda. “As resoluções publicadas disciplinam os atos dos promotores, o que é um avanço. Mas não pode ter essa insegurança jurídica de um processo ser nulo por delegação válida, inválida, competência válida, inválida. A PEC daria essa segurança por força de lei”.

O relator, que já foi alvo de investigação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) e até mesmo preso, criticou o modo de investigar do MPMS.

“Hoje qualquer erro é julgado. E erro não pode ser confundido com corrupção. Mera irregularidade formal não poder ser tratada como corrupção”, declarou.

Jornal Midiamax