Política

Reajuste dos servidores: deputados criam comissão e devem se reunir com Reinaldo

Os deputados estaduais da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) definiram nesta quinta-feira (25) montar uma comissão para acompanhar a negociação salarial dos servidores públicos do Estado junto ao governo, após a manifestação durante a sessão nesta manhã. Os parlamentares devem se unir aos representantes sindicais para encontrarem com o governador Reinaldo Azambu...

Evelin Cáceres Publicado em 25/04/2019, às 12h54 - Atualizado às 13h40

Comissão e servidores se reuniram nesta quinta após a sessão (Foto: Minamar Júnior/Midiamax)
Comissão e servidores se reuniram nesta quinta após a sessão (Foto: Minamar Júnior/Midiamax) - Comissão e servidores se reuniram nesta quinta após a sessão (Foto: Minamar Júnior/Midiamax)

Os deputados estaduais da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) definiram nesta quinta-feira (25) montar uma comissão para acompanhar a negociação salarial dos servidores públicos do Estado junto ao governo, após a manifestação durante a sessão nesta manhã. Os parlamentares devem se unir aos representantes sindicais para encontrarem com o governador Reinaldo Azambuja nesta tarde.

Após o final da sessão, os parlamentares se reuniram com alguns dos representantes sindicais e definiram a estratégia para acompanhar as discussões sobre o reajuste salarial e o fim do abono de R$ 200, anunciado nesta semana pelo governo.

Ficaram definidos como membros da comissão os deputados Cabo Almi (PT), Lídio Lopes (Patriota), Gerson Claro (PP), Capitão Contar (PSL) e Rinaldo Modesto (PSDB) como titulares e os deputados Pedro Kemp (PT), Jamilson Name (PDT), Lucas de Lima (SD), João Henrique (PR) e Felipe Orro (PSDB) como suplentes.

Protestos

Mais cedo, servidores públicos dos grupos de segurança que não conseguiram acompanhar a sessão da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) se irritaram com a suspensão da sessão, tentaram invadir o plenário e foram contidos pelos seguranças. Com capacidade para 350 pessoas, o plenário da ficou lotado com a presença dos manifestantes e mais de cem pessoas seguiam do lado de fora do local.

A movimentação gerou empurra-empurra entre os grupos, mas logo a situação foi normalizada.

Jornal Midiamax