Política

Com três frentes de ação, PSD quer ser força alternativa em 2020

Presidente regional do PSD, o senador Nelsinho Trad (PSD) informou que a legenda tem trabalhado fortemente para se tornar mais atuante e participativa nas eleições municipais e se viabilizar como “força alternativa” diante dos grandes partidos. A estratégia definida pelo diretório em MS foi a divisão dos 79 municípios em três grandes grupos, explicou o […]

Danúbia Burema Publicado em 01/04/2019, às 07h24 - Atualizado em 15/07/2020, às 04h17

None
Com três frentes de ação, PSD quer ser força alternativa em 2020
Senador Nelsinho quer fortalecer PSD para disputas nos municípios. Foto. Arquivo Midiamax.

Presidente regional do PSD, o senador Nelsinho Trad (PSD) informou que a legenda tem trabalhado fortemente para se tornar mais atuante e participativa nas eleições municipais e se viabilizar como “força alternativa” diante dos grandes partidos.

A estratégia definida pelo diretório em MS foi a divisão dos 79 municípios em três grandes grupos, explicou o senador. Cada grupo está sob o comando de uma liderança, que irá acompanhar a ajudar a fortalecer os diretórios municipais.

Com essa divisão,  Nelsinho cuidará de 22 municípios. Já o deputado federal Fábio Trad (PSD) assumirá a responsabilidade por 28 cidades. E, por último, o deputado estadual Londres Machado (PSD) que terá de organizar a legenda em 29 pontos do Estado. “Nós vamos ter a missão de edificar os diretórios municipais para as eleições na busca de candidatos a prefeitos, vice e vereadores”, explicou o senador.

Capital

Sobre a disputa em Campo Grande, Nelsinho mandou recado ao prefeito Marquinhos Trad (PSD) para que ele se esforce em busca da reeleição. Na avaliação dele, o pleito não será definido no primeiro turno em função do grande número de candidaturas.

Apesar de avaliar que o irmão saiu fortalecido das últimas eleições – com a vitória do governador com seu apoio, do senador e de um deputado federal – ele acredita que será necessário “merecer” o voto do campo-grandense. “Agora tem que fazer a parte dele aí. Só apoio político não elege ninguém”, enfatizou.

Jornal Midiamax