Política

Azambuja deixa presidência do Codesul e governador do RS assume

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) passou a presidência do Codesul (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul) para o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. Apesar da troca ter acontecido no dia 11 de junho, a ata da reunião foi publicada no DOE (Diário Oficial do Estado), de sexta-feira (6). O Conselho foi criado […]

Renata Volpe Publicado em 08/09/2019, às 07h39 - Atualizado às 12h40

Reinaldo Azambuja foi presidente do Codesul por um ano. Eduardo Leite, governador do RS, assume presidência. (Divulgação)
Reinaldo Azambuja foi presidente do Codesul por um ano. Eduardo Leite, governador do RS, assume presidência. (Divulgação) - Reinaldo Azambuja foi presidente do Codesul por um ano. Eduardo Leite, governador do RS, assume presidência. (Divulgação)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) passou a presidência do Codesul (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul) para o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. Apesar da troca ter acontecido no dia 11 de junho, a ata da reunião foi publicada no DOE (Diário Oficial do Estado), de sexta-feira (6).

O Conselho foi criado em 1961, através de um convênio entre os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Em 1992 o estado do Mato Grosso do Sul passou a integrar o Conselho.

Azambuja assumiu a presidência no dia 3 de abril de 2018. De acordo com a assessoria do governo, a presidência do Conselho é rotativa. Os governadores dos quatro estados fazem revezamento e ficam no cargo por um ano. 

Entre as funções do posto está a articulação de negociações entre os estados, considerando interesses comuns na áreas de saúde, meio ambiente, agricultura, turismo, segurança pública e políticas públicas para as mulheres e defesa civil.

De acordo com a ata da reunião publicada no DOE, o encontro dos governadores aconteceu em Brasília, com a presença de Leite, Azambuja, Carlos Moisés da Silva, governador de Santa Catarina e Carlos Massa Ratinho Junior, governador do Paraná. 

Durante a reunião, os governadores ouviram o discurso do diretor de Estratégia e Competitividade da Abegas (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado), que falou sobre o novo mercado de gás natural no Brasil. Disse que o gasoduto Brasil-Bolívia foi o primeiro marco do mercado de gás natural do país, propiciando a monetização do gás com a sua colocação no mercado. 

Azambuja ressaltou durante a reunião,  a importância de que as companhias de gás dos Estados do Codesul se reúnam para discutir e aprofundar o assunto. Comentou que a compra em conjunto de gás propiciará uma redução no preço pago para o metro cúbico, tendo-se ofertas já com 20% de deságio (depreciação). 

Jornal Midiamax