Política

Deputados retomam sessão com plenário cheio de servidores

Após ficar meia hora suspensa por manifestações de servidores públicos dos grupos de segurança do governo do Estado, a sessão da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) foi retomada nesta quinta-feira (25) com a presidência do deputado Marçal Filho (PSDB). Presidente da Casa, o deputado Paulo Correa (PSDB) se irritou com as interrupções […]

Evelin Cáceres Publicado em 25/04/2019, às 11h01 - Atualizado às 12h13

Manifestantes acompanham sessão sentados após retomada (Foto: Minamar Júnior)
Manifestantes acompanham sessão sentados após retomada (Foto: Minamar Júnior) - Manifestantes acompanham sessão sentados após retomada (Foto: Minamar Júnior)

Após ficar meia hora suspensa por manifestações de servidores públicos dos grupos de segurança do governo do Estado, a sessão da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) foi retomada nesta quinta-feira (25) com a presidência do deputado Marçal Filho (PSDB).

Presidente da Casa, o deputado Paulo Correa (PSDB) se irritou com as interrupções dos servidores durante os pronunciamentos dos deputados e suspendeu a sessão. Ao retomar a reunião, Correa já não estava mais na tribuna e foi substituído por Marçal. Em seguida, Correa reassumiu a presidência da sessão.

O plenário da Casa segue lotado, mas com os servidores mais calmos e acompanhando as indicações e projetos dos parlamentares.

Protestos

Mais cedo, servidores públicos dos grupos de segurança que não conseguiram acompanhar a sessão da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) se irritaram com a suspensão da sessão, tentaram invadir o plenário e foram contidos pelos seguranças. Com capacidade para 350 pessoas, o plenário da ficou lotado com a presença dos manifestantes e mais de cem pessoas seguiam do lado de fora do local.

A movimentação gerou empurra-empurra entre os grupos, mas logo a situação foi normalizada.

Abono

Representantes dos sindicatos que representam servidores da segurança pública deixaram a reunião com a SAD (Secretaria de Administração e Desburocratização) cerca de quinze minutos após o início, na tarde desta quarta-feira (24), devido à falta de proposta do Governo do Estado sobre reajuste salarial e informação de que o funcionalismo terá retirado o abono de R$ 200,00.

Jornal Midiamax