Política

Tereza Cristina não deve privilegiar MS como ministra, diz Marquinhos

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) comentou sobre a confirmação da deputada federal Tereza Cristina (DEM) no comando do Ministério da Agricultura. Segundo ele, a líder da bancada ruralista tem “condições técnicas” para assumir o cargo e deve ter tratamento “isonômico” em relação a todos os estados do País, sem que haja privilégios. “Tenho certeza que […]

Richelieu Pereira Publicado em 08/11/2018, às 13h00 - Atualizado em 07/07/2020, às 21h29

Prefeito Marquinhos Trad durante entrevista. Foto: Richelieu Pereira
Prefeito Marquinhos Trad durante entrevista. Foto: Richelieu Pereira - Prefeito Marquinhos Trad durante entrevista. Foto: Richelieu Pereira
Tereza Cristina não deve privilegiar MS como ministra, diz Marquinhos
Prefeito Marquinhos Trad durante entrevista. (Foto: Richelieu Pereira)

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) comentou sobre a confirmação da deputada federal Tereza Cristina (DEM) no comando do Ministério da Agricultura. Segundo ele, a líder da bancada ruralista tem “condições técnicas” para assumir o cargo e deve ter tratamento “isonômico” em relação a todos os estados do País, sem que haja privilégios.

“Tenho certeza que ela não vai cometer nenhum ato de deslize para manchar o nome do nosso Estado”, disse Marquinhos, durante agenda pública na manhã desta quinta-feira (8). “Ela vai ajudar o País todo, ela é muito justa e equilibrada. Não vai pender para o Estado de origem dela, ela vai dar um olhar igualitário”, complementou.

O prefeito da Capital chamou a atenção para essa necessidade, pois geralmente os olhares do Governo Federal são voltados para os polos mais desenvolvidos, como São Paulo, Rio de janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, em detrimento a locais com menos representatividade como Mato Grosso do Sul.

“Ela vai ser isonômica, disso eu tenho certa”, conclui o prefeito de Campo Grande, cidade onde nasceu Tereza Cristina.

Encontro com o presidente eleito

A deputada federal vai se encontrar ainda nesta quinta com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Na conversa, ela disse que pretende saber o “tamanho” que o Ministério da Agricultura terá, se vai agregar a pesca e a agricultura familiar, por exemplo.

Segundo ela, os produtores esperam segurança jurídica, defesa da propriedade e um ministério “mais moderno”, incluindo aumento no número de acordos comerciais.

Tereza Cristina pretende também encontrar-se com o atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, para ser informada de detalhes da área. “Hoje a agricultura e a agropecuária brasileiras são o nosso motor. É o carro-chefe da nossa economia, então temos de ver o que mais está faltando para que este motor seja mais acionado porque capacidade de produção, nossos produtores têm.”

A futura ministra avaliou que toda vez que o Brasil recebe “um chamamento” para produzir, o setor produtivo responde de forma “firme e acertiva”. “[Mas], é preciso ter mercado”, ponderou.

Jornal Midiamax