Política

Revitalização da Cidade do Natal deve resgatar memória da Capital, diz Marun

Obra deve custar R$ 2,3 milhões e foi apresentada ao Ministério das Cidades

Maisse Cunha Publicado em 15/06/2018, às 19h11

(Fotos: Henrique Kawaminami)
(Fotos: Henrique Kawaminami) - (Fotos: Henrique Kawaminami)

Projeto de revitalização da ‘Cidade do Natal’, na avenida Afonso Pena, deve resgatar a memória arquitetônica de Campo Grande, segundo afirmou o ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo da Presidência da República, nesta sexta-feira (15). A obra, orçada em R$ 2,3 milhões, foi apresentada inicialmente ao Ministério das Cidades, mas deve ser enquadrada nas pastas de Turismo e Cultura.

“Nós temos uma situação orçamentária muito difícil, o prefeito me apresentou hoje uma série de projetos no sentido daquilo que a gente quer melhorar a vida de quem mora em Campo Grande”, afirmou o ministro, durante reunião na Prefeitura da Capital.

“Eu vim aqui conhecer os projetos, é uma reivindicação que o prefeito faz, mas vejo como uma grande possibilidade para que seja atendido e seja contratado”, disse.

Revitalização da Cidade do Natal deve resgatar memória da Capital, diz MarunO espaço, cedido por convênio com o Governo de Mato Grosso do Sul, deve abrigar exposições permanentes, praça de alimentação, espaço para produção de eventos. Cada etapa da construção deve homenagear algum prédio histórico da Capital, como Morada dos Baís, gabinete do prefeito, na Estação Ferroviária.

A construção, em material provisório, resistente e sustentável, segundo o Prefeito Marquinhos Trad (PSD), deve durar aproximadamente 10 anos, tempo considerado generoso, devido ao baixo custo.

A interlocução de Marun com o Governo Federal, segundo Marquinhos, facilita a viabilidade de recursos e o ‘destrave’ de várias obras há tempo empacadas, como o próprio Centro de Belas Artes.

“Você ter um ministro dentro da Prefeitura da sua cidade, é um privilégio. Fiquei 1 ano e meio em Brasília e não consegui nada. Agora, com o ministro Marun, já conseguimos R$ 11 milhões”, afirmou o prefeito, exemplificando os recursos do Finasa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento), que serão utilizados para a construção de duas quadras poliesportivas, uma no Parque do Sol e outra no Jardim Noroeste, além da continuidade das obras do Centro de Belas Artes, na Capital.

Pacote de Obras

O secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, apresentou ao ministro o programa Alavancar Cidades, que compreende 73.158,50 m² de vias exclusivas para corredor de transporte coletivo, nas avenidas Consul Assaf Trad, Coronel Antonino e Rui Barbosa, considerado pelo secretário o principal corredor da Capital. O investimento será de R$ 15 milhões.

Outra obra apresentada foi a ampliação de ciclovias e ciclofaixa. Atualmente, segundo Fioresi, existem 30 km de ciclovias na Capital, entretanto, com a ampliação, deve ganhar outros 40 km. A construção deve ser feita próximo ao parque Sóter, região da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), e Tamandaré, no contornando área militar. As obras foram orçadas em R$ 9,3 milhões.

Jornal Midiamax