Política

Propagandas da Reforma da Previdência custaram R$ 110 milhões ao governo

Emissoras de TV estão entre as que mais receberam

Joaquim Padilha Publicado em 28/04/2018, às 10h21

Brazil's President Michel Temer attends the Petrobras 2018-2022 Business and Management Plan disclosure ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil December 21, 2017. REUTERS/Adriano Machado
Brazil's President Michel Temer attends the Petrobras 2018-2022 Business and Management Plan disclosure ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil December 21, 2017. REUTERS/Adriano Machado - Brazil's President Michel Temer attends the Petrobras 2018-2022 Business and Management Plan disclosure ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil December 21, 2017. REUTERS/Adriano Machado

O governo do presidente Michel Temer (MDB) gastou quase R$ 110 milhões para promover a Reforma da Previdência. Os valores foram gastos com campanhas publicitárias em prol da reforma desde o início do ano passado.

A informação é do site Congresso em Foco. Segundo a publicação, mais de 2,3 mil pagamentos foram feitos a agências de publicidade e plataformas de divulgação, com valores que chegaram a R$ 7,5 milhões.

Apesar de toda a propaganda, a reforma fracassou. Em fevereiro deste ano, após a intervenção federal do Rio de Janeiro, a PEC da reforma foi oficialmente arquivada. Mesmo assim, naquele mês o governo aplicou R$ 34,8 milhões em propaganda.

Os pagamentos mais altos foram feitos a emissoras de televisão. Globo, Record e SBT receberam, juntas, mais de R$ 58 milhões para veicularem as propagandas. Isso equivale a 86% do que o governo gastou com propagandas na televisão em todo o período.

O Facebook também está entre os beneficiados. Para propagandear a reforma da previdência, a rede social recebeu R$ 3,7 milhões. O próprio site Congresso em Foco também recebeu R$ 24,4 mil pelas propagandas.

A reportagem também aponta que Temer investiu mais em propaganda em seus momentos mais críticos. Um mês após a delação da JBS, por exemplo, foram gastos R$ 17,1 milhões. Já em setembro, em meio às duas denúncias contra o presidente, o gasto foi de R$ 23 milhões.

Segundo a Secom (Secretaria de Comunicação) da Presidência da República, os veículos para as propagandas são escolhidos conforme pesquisas de audiência e registro de cadastro com a Secretaria.

Jornal Midiamax