Política

Prefeito diz que Campo Grande perdeu R$ 15 milhões com greve e culpa Temer

    Durante agenda pública na manhã desta quarta-feira (30), o prefeito Marquinhos Trad (PSD) revelou que a greve dos caminhoneiros fez com que a Capital deixasse de receber cerca de R$ 15 milhões decorrentes de repasses de ICMS. O Estado repassa aos municípios um percentual oriundo da arrecadação com ICMS, e como o governador […]

Ludyney Moura Publicado em 30/05/2018, às 10h53 - Atualizado às 11h03

None

Durante agenda pública na manhã desta quarta-feira (30), o prefeito Marquinhos Trad (PSD) revelou que a greve dos caminhoneiros fez com que a Capital deixasse de receber cerca de R$ 15 milhões decorrentes de repasses de ICMS.

O Estado repassa aos municípios um percentual oriundo da arrecadação com ICMS, e como o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) revelou que o Estado deixou de arrecadar cerca de R$ 170 milhões com o tributo, logo a Capital também foi afetada.

Marquinhos destacou que a cidade ‘não parou’, mantendo funcionamento de Ceinfs, escolas, postos de saúde e do setor administrativo da Capital, inclusive garantiu pagamento dos salários dos servidores ainda nesta quarta-feira.

Demora

O prefeito revelou que logo no primeiro dia da greve dos caminhoneiros ele reuniu os secretários e pediu que todos economizassem em suas pastas. Trad alegou que não vislumbrou a mesma atitude no governo do presidente Michel Temer (MDB).

“Senti uma certa inflexibilidade do governo Federal. Por isso que alguns culpam o Temer de ter demorado nas negociações. Se tivesse feito o que nós fizemos aqui teria evitado transtorno maior para o país”, disparou o prefeito.

Trad ainda revelou que recebeu uma ligação de Azambuja com questionamentos sobre o andamento da Capital. O prefeito argumentou que diante da decisão do governador de reduzir alíquota de ICMS do óleo diesel de 17% para 12%, tão logo a greve chegue ao fim, é preciso que o governo estadual garante que está redução chegue até o consumidor final.

Jornal Midiamax