Política

Polícia Federal investiga atuação de segundo suspeito em atentado contra Bolsonaro

A PF (Polícia Federal) está investigando a participação de um segundo suspeito no atentado contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL). O suspeito teria sido detido nesta quinta-feira (7), logo após o atentado, mas foi liberado.

Mylena Rocha Publicado em 07/09/2018, às 08h53 - Atualizado em 08/09/2018, às 08h15

O candidato Jair Bolsonaro foi atingido enquanto fazia campanha no interior de Minas Gerais. (Foto: Reprodução)
O candidato Jair Bolsonaro foi atingido enquanto fazia campanha no interior de Minas Gerais. (Foto: Reprodução) - O candidato Jair Bolsonaro foi atingido enquanto fazia campanha no interior de Minas Gerais. (Foto: Reprodução)

A PF (Polícia Federal) está investigando a participação de um segundo suspeito no atentado contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL). O suspeito teria sido detido nesta quinta-feira (7), logo após o atentado, mas foi liberado.

Segundo informações da TV Globo em Brasília, não havia elementos para a prisão em flagrante, mas o suspeito segue sendo investigado pela Polícia Federal. Bolsonaro levou uma facada em um ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais, quando um homem se aproximou e o feriu na barriga com um objeto cortante. O suspeito é Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, que foi preso ainda nesta quinta-feira (6).

O advogado do suspeito da agressão, Pedro Augusto Lima Possa, disse que o cliente confessou ser o autor do atentado e que ele teria agido por motivações religiosas e de cunho político. “Ele não tinha intenção de matar, em momento algum. Era só de lesionar”, disse o advogado à emissora.

Adélio Bispo de Oliveira é formado em pedagogia e atualmente não há registro de filiação partidária. O agressor foi filiado ao PSOL entre 2007 e 2014. Ele tem passagem na polícia em 2013 por lesão corporal.

Jornal Midiamax