Política

Nova ofensiva da Lava Jato: Joesley Batista volta a ser preso pela Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (9), desdobramento da operação Lava Jato para cumprir 63 mandados de busca e apreensão e 19 de prisão temporária. Entre os presos estão o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade (MDB), e o empresário Joesley Batista, da JBS. A Operação Capitu, que investiga um esquema de arrecadação de […]

Thatiana Melo Publicado em 09/11/2018, às 06h50 - Atualizado em 01/04/2019, às 12h46

Foto: O Extra
Foto: O Extra - Foto: O Extra

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (9), desdobramento da operação Lava Jato para cumprir 63 mandados de busca e apreensão e 19 de prisão temporária. Entre os presos estão o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade (MDB), e o empresário Joesley Batista, da JBS.

A Operação Capitu, que investiga um esquema de arrecadação de propina dentro do Ministério da Agricultura para beneficiar políticos do MDB, culminou também na prisão do deputado estadual por Minas Gerais, João Magalhães (MDB).

Segundo a PF, políticos recebiam dinheiro dos irmãos Joesley e Wesley Batista em troca de medidas para beneficiar suas empresas.

Além da casa do vice-governador de Minas Gerais, a PF também fez buscas em seu gabinete. Os 19 mandados de prisão temporária são cumpridos em Minas Gerais, Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Mato Grosso, segundo informações site O Dia.

Joesley Batista já havia sido preso anteriormente e foi liberado após uma delação premiada. A prisão dele na época ocorreu após o pagamento de propina ao presidente Michel Temer (MDB) por intermédio do ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures. A propina, uma mala com R$ 500 mil, foi entregue pelo ex-diretor de Assuntos Institucionais da J&F Ricardo Saud a Loures, em São Paulo, em abril de 2017.

Jornal Midiamax