Política

Minha tentação é fechar agências reguladoras, diz Ciro Gomes

Ao comentar que as agências reguladoras se tornaram “antro de ladroagem” e “emparelhadas de politiqueiros”, o candidato Ciro Gomes (PDT) disse que sua “tentação é fechá-las”. Em palestra na Abdib nesta segunda-feira (20), em São Paulo, o pedetista disse que os adversários Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) falam de forma irreal sobre ajuste […]

Folhapress Publicado em 20/08/2018, às 19h30

None

Ao comentar que as agências reguladoras se tornaram “antro de ladroagem” e “emparelhadas de politiqueiros”, o candidato Ciro Gomes (PDT) disse que sua “tentação é fechá-las”.

Em palestra na Abdib nesta segunda-feira (20), em São Paulo, o pedetista disse que os adversários Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) falam de forma irreal sobre ajuste fiscal.

“Alckmin é do PSDB que, por intermédio do [hoje senador José] Serra, desenhou o sistema tributário brasileiro. Alckmin é do PSDB, que tem como mentor Fernando Henrique Cardoso, o presidente que mais aumentou a carga tributária da história brasileira”, respondeu.

“Fernando Henrique quebrou o país três vezes.”

Ciro afirmou ainda que Alckmin hoje sugere simplificar cinco impostos em um só, o IVA, mas quando era governador se posicionou contra.

Ele também atacou o tucano ao dizer que o governo paulista, quando comandado por ele, fez acordo com a facção criminosa PCC, o que o tucano nega. “Estou documentado disso”, declarou Ciro.

Questionado pela reportagem sobre quais documentos sustentam sua afirmação, ele disse para a repórter “deixar de ser preguiçosa e olhar no Google”.

Quando perguntado sobre a posição de Meirelles em relação a ajuste fiscal, Ciro mencionou um aspecto pessoal do ex-ministro da Fazenda do governo Temer.

“Ele guarda o dinheiro dele no estrangeiro e a nossa imprensa pouco faz caso disso. É muito exótico ministro da Fazenda guardar sua poupança em paraíso fiscal”, afirmou, lembrando que é declarado, não ilegal.

Ciro comparou a postura de Jair Bolsonaro (PSL) à de um déspota esclarecido, que prega discriminação e tem simpatia popular por isso.

“Bolsonaro representa uma coisa profunda, ele nem tem ideia do que ele está representando”, afirmou. “Ele está representando a negação da política, da democracia. É a vontade de botar fogo.”

Jornal Midiamax