Política

Marina Silva dispensa reforço na segurança mesmo após ataque contra Bolsonaro

A candidata à Presidência Marina Silva (Rede), afirmou no sábado (8) que, mesmo após o atentado contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL), não irá usar reforço da Polícia Federal em sua segurança. “Não pedi reforço. Nós vamos continuar fazendo a nossa campanha, defendendo propostas, dialogando com a população, reafirmando os compromissos que temos desde 2014 […]

Egina Becker Publicado em 09/09/2018, às 08h34 - Atualizado às 08h36

Encontro com Marina Silva será virtual. (Divulgação)
Encontro com Marina Silva será virtual. (Divulgação) - Encontro com Marina Silva será virtual. (Divulgação)
Marina Silva dispensa reforço na segurança mesmo após ataque contra Bolsonaro
Divulgação

A candidata à Presidência Marina Silva (Rede), afirmou no sábado (8) que, mesmo após o atentado contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL), não irá usar reforço da Polícia Federal em sua segurança.

“Não pedi reforço. Nós vamos continuar fazendo a nossa campanha, defendendo propostas, dialogando com a população, reafirmando os compromissos que temos desde 2014 de fazer uma campanha sem violência, sem mentiras, sem desconstrução”, informou Marina durante cumprimento de agenda da campanha.

Cumprindo agenda de campanha, Marina caminhou pela rua 25 de Março, no centro de São Paulo, ao lado de apoiadores. Além da rua mais movimentada do país, a presidenciável também visitou o Mercado Municipal.

“O que vai nos defender contra a violência não é uma arma na nossa mão. O que vai nos proteger contra a violência é amor e respeito dentro do nosso coração”, pontuou Marina.

“Eu fico pensando: se Deus o livre aquela pessoa tivesse uma arma de fogo na mão, o que poderia ter acontecido?”, ponderou a candidata da Rede em referência ao agressor de Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira, 40 anos, que usou uma faca para atacar o presidenciável do PSL em Juiz de Fora.

Jornal Midiamax