Política

Fabio comenta parceria do irmão e diz que PSD ‘ainda não fechou com PSDB’

“Aliança na Capital não é partidária’, afirma deputado

Ludyney Moura Publicado em 26/04/2018, às 10h00

Foto: Reprodução.
Foto: Reprodução. - Foto: Reprodução.

Não apenas por discussões políticas estarem intensas neste período de pré-campanha, mas também pela velocidade de propagação de afirmações, um post público do deputado federal Fábio Trad (PSD) despertou curiosidade e comentários sobre eventuais alianças políticas nas eleições de 2018.

O parlamentar defendeu que seu partido, o PSD, apoie uma ‘candidatura ética e honesta para o governo do estado’, e negou que já esteja definido qualquer aliança que garante apoio à reeleição do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

“O PSD nem se aproximou do PSDB, o O PSD ainda está discutindo. O que propus é que a pauta ética tem que ser levada em consideração na discussão interna do PSD para saber quem será o candidato ao governo. Acho importante estar em sintonia com as aspirações populares”, disse o deputado ao Jornal Midiamax.

Nas eleições de 2016, Fábio fez duras críticas a Azambuja. Um ano antes, ao deixar o PMDB, também criticou o ex-governador André Puccinelli (MDB) pela falta de apoio no pleito de 2014. Todavia, o deputado evita anunciar se vai apoiar ou não algum dos pré-candidatos ao governo já anunciados pelos maiores partidos, como MDB, PSDB, PT e PDT.

“Sou um homem de partido, mas vou usar da minha intendência para que, durante as discussões, nós escolhamos o mais ético e o mais capacitado”

O deputado também comentou a parceria administrativa entre a gestão de seu irmão, o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), e do governador Azambuja. Para o parlamentar, a aliança é administrativa e entre gestores, sem nenhuma repercussão ‘eleitoreira’ ou ‘partidária’ com vistas às eleições de outubro.

“É uma proximidade entre gestores, que demonstra maturidade. Se não fizerem parceria o Estado e Campo Grande perdem”, finalizou

Jornal Midiamax