Política

‘Claro que sim, quem não quer?’: Rocha diz que apoio a Reinaldo pode render presidência da AL

Diferente de seu partido, o MDB, que declarou apoio ao candidato do PDT ao governo estadual, Juiz Odilon, o líder da bancada emedebista, deputado Eduardo Rocha, já reuniu aliados para apoiar a reeleição de Reinaldo Azambuja (PSDB), e admitiu que a aliança pode resultar na presidência da Assembleia Legislativa, em 2019. “Claro que sim. Quem […]

Ludyney Moura Publicado em 16/10/2018, às 11h55

Bancada do MDB está dividida no 2º turno em MS (Foto: Divulgação/Luciana Nassar/ALMS)
Bancada do MDB está dividida no 2º turno em MS (Foto: Divulgação/Luciana Nassar/ALMS) - Bancada do MDB está dividida no 2º turno em MS (Foto: Divulgação/Luciana Nassar/ALMS)

Diferente de seu partido, o MDB, que declarou apoio ao candidato do PDT ao governo estadual, Juiz Odilon, o líder da bancada emedebista, deputado Eduardo Rocha, já reuniu aliados para apoiar a reeleição de Reinaldo Azambuja (PSDB), e admitiu que a aliança pode resultar na presidência da Assembleia Legislativa, em 2019.

“Claro que sim. Quem é que não quer?”, respondeu Rocha quando questionado se o apoio a Reinaldo poderia resultar em sua eleição para a presidência da Casa, hoje ocupada por seu correligionário, Júnior Mochi, que abriu mão de disputar a reeleição para concorrer ao governo pelo MDB.

Rocha ressaltou que uma eventual reeleição de Reinaldo pode garantir mais condições de ‘governabilidade’, já que a coligação encabeçada pelo PSDB elegeu 17 dos 24 deputados estaduais eleitos, enquanto a chapa de Odilon garantiu apenas duas cadeiras na Assembleia.

O deputado explicou que optou por Reinaldo por ‘acreditar no projeto político’ do governo tucano, e desacreditar no projeto de Odilon. Rocha destacou que a gestão Azambuja atendeu as demandas de sua região, Três Lagoas, que ele classificou de ‘altamente industrializada’.

O emedebista ainda frisou que está ‘legitimado’ pelo MDB para apoiar Reinaldo, uma vez que a sigla optou pelo PDT ‘com base na opinião da maioria e não de todos’, prometendo respeitar a decisão de todos que optassem pela candidatura tucana.

Lado

Já o deputado Renato Câmara, afirmou que vai ‘respeitar a decisão do partido’, e também as ‘posições locais’, mas preferiu não declarar qual candidato vai apoiar no 2º turno das eleições.

“Localmente existem composições que precisam ser respeitadas, arranjos feitos antes da eleição. Vou acompanhar o partido e respeitar a posição local das nossas lideranças”, limitou-se a dizer o emedebista.

O outro integrante da bancada do MDB, também reeleito, Márcio Fernandes, vai seguir orientação da partido e apoiar Odilon.

(Com Maisse Cunha)
Jornal Midiamax