Política

Wesley Batista, irmão de Joesley, chega ao Brasil após viagem aos EUA

Donos da JBS serão convocados a depor em MS

Joaquim Padilha Publicado em 28/06/2017, às 11h46

None

Donos da JBS serão convocados a depor em MS

O empresário Wesley Batista, irmão de Joesley Batista, ambos donos da empresa JBS, chegou ao Brasil na manhã desta quarta-feira (28). Ele e o irmão são autores da delação que gerou a abertura do inquérito contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Wesley estava em Nova York, nos Estados Unidos, e não quis dar declarações sobre sua estadia no país. O empresário desembarcou no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, por volta das 6h, segundo o Gazeta Online.

A assessoria da JBS informou que o empresário trabalha e vive no Brasil, e que se ausentou do país por alguns dias para resolver questões empresariais. Esta é a primeira viagem de Wesley ao exterior desde o vazamento da delação do imrão, Joesley.

Nesta quarta-feira (28), o STF (Supremo Tribunal Federal) irá retomar o julgamento sobre a validade das delações de executivos da JBS, fechadas no âmbito da Operação Lava-Jato.

Até o momento, sete ministros dos dez ministros que participam da sessão votaram a favor da hologação da delação pelo relato da Lava-Jato, o ministro Edson Fachin. A delação foi acordada pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. Wesley Batista, irmão de Joesley, chega ao Brasil após viagem aos EUA

Irmãos Batista em MS

Wesley, assim como o irmão Joesley, serão convocados para deporem na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, na CPI da Propina, originada pela delação dos irmãos Batista, como anunciou o presidente da Comissão, deputado Paulo Correa (PR).

“Vamos estudar os Tares (Termos de Ajuste de Regime Especial) concedidos para efetivamente convocar Wesley, Joesley, Saud e Boni para depor na CPI. Seja por convite ou condução coercitiva”, disse o deputado.

A delação dos irmãos Wesley atingiu o governo Reinaldo Azambuja (PSDB) ao detalhar pagamentos de propina para o governador e para os ex-governadores André Puccinelli (PMDB) e Zeca do PT, em troca da liberação de incentivos fiscais para o grupo J&F, que controla a JBS.

Jornal Midiamax