Política

VÍDEO: Manifestantes marcham e organizam show em apoio a Lula em Curitiba

Ex-presidente chegou a capital do Paraná e foi recebido por vaias

Joaquim Padilha Publicado em 10/05/2017, às 13h57

None
marcha_vermelha.jpg

Ex-presidente chegou a capital do Paraná e foi recebido por vaias

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chegou ao aeroposto de Curitiba às 10h16 do horário de Brasília, onde esperou pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que foi até o local com o ex-ministro Walfrido Mares Guia.

Ao sair do aeroporto, Lula foi recebido por dez pessoas que o esperavam na calçada da saída da Infraero. Cem metros depois, o ex-presidente foi vaiado por cerca de 20 manifestantes. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

O clima em Curitiba, onde Lula prestará depoimento ao juiz Sérgio Moro na 13ª Vara Federal às 14h, é de acirramento político. Manifestantes apoiando o ex-presidente organizam um protesto com direito a show de uma dupla sertaneja e caminhão de som.

Uma marcha em apoio a Lula começou a caminhar do lado da estação rodoferroviária de Curitiba, onde um acampamento de MST (Movimento Sem Terra) foi montado, até a praça Santos Andrade, no centro da cidade. O número de manifestantes não foi calculado, mas 40 ônibus foram utilizados para transportar os apoiadores de Lula até a capital do Paraná.

A marcha causou congestionamentos no centro de Curitiba. Apesar de inconformidade dos motoristas, não houve conflitos até o momento. Sindicalistas e pessoas ligadas ao Movimento Sem Terra aguardam o ex-presidente em frente à área restrita para pedestres do prédio da Justiça Federal. 

Ninguém poderá entrar no prédio da Justiça Federal a não ser o juiz Moro, Lula e outros participantes da audiência, como procuradores do MPF (Ministério Público Federal), escrivões e advogados.

Nesta manhã, o ministro Felix Fischer, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), negou pedido da defesa de Lula para adiar seu depoimento ao juiz Sergio Moro. Há ainda um terceiro recurso da defesa do ex-presidente, que pede o afastamento de Moro da frente do processo, que ainda não foi analisado.

(com supervisão de Evelin Cáceres)

Jornal Midiamax