Política

Sob vaias, Beto ‘trava’ projeto de Siufi e peemedebista deixa base de Azambuja

Plenário estava lotado de farmacêuticos à espera de votação do piso

Ludyney Moura Publicado em 09/05/2017, às 14h16

None
img_5761.jpg

Plenário estava lotado de farmacêuticos à espera de votação do piso

O deputado estadual Beto Pereira (PSDB), líder da bancada tucana e vice-líder do governo na Assembleia, ‘travou’ a votação o projeto de Paulo Siufi (PMDB) que estipulava piso salarial para farmacêuticos bioquímicos, que lotaram o plenário da Casa e vaiaram o tucano, na sessão desta terça-feira (9).

O projeto foi apresentado em regime de urgência na última semana, e deveria ser votado na sessão de hoje, mas Pereira, relator da matéria na CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), alegou que não teve tempo hábil para emitir seu parecer, e pediu 48 horas para fazê-lo.

“Não estou aqui jogando para plateia. Temos que obedecer o prazo regimental (de 48 horas)”, disse Beto, sobre parecer da constitucionalidade do projeto, que estabelec,  para 40 horas semanais, piso de R$ 3.748,00 para categoria; para jornada de 30 horas semanais o piso será de R$ 2.811,00; para 20 horas semanais o valor estipulado é de R$ 1.874,00, e ainda R$ 937 para jornada de 12 horas semanais.

Siufi não gostou da afirmação do colega, e afirmou que mesmo no pouco tempo em que está na Assembleia, já votou projetos que deram entradas pela manhã e tiveram parecer da CCJR proferidos em plenário.

“Estou vendo que esta Casa tem dois pesos e 50 medidas. Responsabilidade eu tenho e não jogo para plateia. Não sou neófito, venho de 12 anos de mandato (como vereador na Capital), e sei que o plenário é soberano. Não é um outro que determina as coisas”, disparou o peemedebista.

Diante da negativa de Beto em proferir seu parecer no plenário, Siufi afirmou que deixou de integrar a base aliado do governo Reinaldo Azambuja (PSDB) na Assembleia. “Temos que ter lado, hoje meu lado é ao lado dos farmacêuticos de Mato Grosso do Sul”, emendou.

O presidente da Casa, Junior Mochi (PMDB), discordou do pedido de Beto para ter 48 horas para analisar o projeto, e pautou a votação da matéria para a sessão de amanhã, quarta-feira (10).

Após o fim da análise do projeto, sem votação, os farmacêuticos que estavam na Casa, além do próprio Paulo Siufi, dirigiram-se à governadoria em busca de respostas do governo sobre a matéria.

Embate

Esta não é a primeira vez que Siufi e Pereira trocam farpas na Assembleia. O peemedebista já havia ameaçado deixar a base após alegar ter sido ameaçado pelo tucano. 

Jornal Midiamax