Política

Prestigiado: Governo e Prefeitura assinam convênio de R$ 20 milhões para tapa-buraco

Ato contou com a presença de políticos, até o governador interrompeu as férias para ato

Ludyney Moura Publicado em 19/01/2017, às 14h14

None
capinha1.jpg

Ato contou com a presença de políticos, até o governador interrompeu as férias para ato

Como já haviam anunciado, o Governo do Estado e a Prefeitura de Campo Grande formalizaram na manhã desta quinta-feira (19) o convênio de R$ 20 milhões para tapar-buracos na Capital. O ato, chamado de ‘Juntos por Campo Grande’, contou com a presença de deputados, secretários e vereadores.

No total, a parceria firmada alcançou o montante de R$ 50 milhões, metade de cada parte, sendo que neste primeiro momento serão investidos R$ 10 milhões do Governo e outros R$ 10 milhões da Prefeitura, para serviço de tapa-buraco, e o restante, R$ 30 milhões, serão usados para obras de recapeamento.

Segundo o município existem pelo menos 250 mil buracos na Capital. “Pela primeira vez na campanha (de 2016) a maioria das pessoas não pedia melhorias na saúde, e sim para tapar os buracos da cidade”, frisou Marquinhos, que voltou a dizer que a Prefeitura poderá parcelar sua parte do convênio, em virtude das dificuldades com o caixa.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que interrompeu as férias para participar da reunião, disse que a intenção era usar todo o dinheiro do convênio, R$ 50 milhões, para recapeamento, mas em virtude do caos das vias, parte será revertido para tapa-buraco.

 “O que estamos tendo com o Marquinhos não conseguimos com o administrador anterior. Essa é a diferença entre política boa e politicagem”, frisou o tucano, que emendou que em algumas ruas é impossível trafegar.

A vice-governadora Rose Modesto (PSDB) fez questão de destacar, novamente, que a eleição ‘ficou para trás’. “Todos sabem que disputamos eleição em Campo Grande,e esse ato demonstra a parceira que governo sempre teve com os município”, disse a governadora em exercício.

 De acordo com o prefeito da Capital as obras de recapeamento devem começar já no 2º semestre de 2017. Segundo ele, a situação ‘drástica’ das vias campo-grandenses já saíram da esfera da ‘tranquilidade e trafegabilidade e foi parar nos hospitais  e até nos cemitérios’, emendou Trad fazendo menção ao suposto buraco que pode ter motivado a confusão no trânsito que terminou com o assassinado do empresário Adriano Correia.

O secretário municipal de infraestrutura, Rudi Fiorese, atualmente 19 equipes trabalham tapando buracos, e dentro de um mês, esse número deve chegar a 30, tão logo o dinheiro seja repassado aos cofres da Prefeitura. O governador frisou ainda que faltam apenas ‘questões burocráticas’ para liberação do recurso. 

Jornal Midiamax