Política

Prefeita, Délia não será suplente e Siufi não decide se assume vaga de Trad

Presidente diz que tem que cumprir formalidade

Midiamax Publicado em 07/01/2017, às 15h10

None
capa-delia-siufi.jpg

Presidente diz que tem que cumprir formalidade

A cadeira deixada pelo agora ex-deputado Marquinhos Trad (PSD), eleito prefeito da Capital, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, segue sem definição do substituto. Délia Razuk (PR), eleita prefeita de Dourados, é a primeira suplente da vaga, mas ela já prepara sua carta de renúncia. Enquanto isso o segundo suplente, vereador campo-grande Paulo Siufi (PMDB), não definiu se assume.

Marquinhos enviou sua carta de renúncia ao legislativo estadual no último dia útil de 2016, (30 de dezembro). Em entrevista recente à reportagem do Jornal Midiamax, o presidente da Assembleia, deputado Junior Mochi (PMDB) disse que assim que recebeu o comunicado de Trad já mandou fazer a carta de convocação de Délia.

“A vaga é dela, então mesmo sabendo que ela não deve assumir preciso desta formalidade. Eu envio uma carta convocando e aguardo ela me enviar uma carta de renúncia da suplência e ai depois poderei convocar o próximo suplente, que é Paulo Siufi (PMDB)”, relatou Mochi.

A assessoria jurídica da agora prefeita de Dourados, Délia Razuk, confirmou à reportagem que a republicana já elabora sua renúncia para encaminhar a Mochi, e que isso deve acontecer entre os dias 9 a 13 de janeiro. 

Analisando

Enquanto isso, o próximo suplente da lista, o vereador Paulo Siufi diz que só irá definir se assume ou não no final deste mês de fevereiro. “A tendência é que eu vá para a assembleia. Eu estava 99% decidido. Fui reeleito com dificuldade e ocorreram muitas renovações, mas abriu-se uma porta pra que eu possa ser deputado”.

Siufi destacou que estava praticamente decidido, mas que os colegas estão pedindo que ele fique na Câmara de Campo Grande, onde poderia contribuir com 'sua experiência'.

"O que estava quase 100% decidido, hoje é 60% lá (AL) e 40% aqui, com chances de rever e ficar. Muitos (dos novos vereadores) pediram para falar comigo, fiquei lisonjeado, mexeu com meu emocional e eu vou com a minha razão tomar uma decisão, até o final do mês agora de fevereiro”, finalizou o peemedebista. 

Jornal Midiamax