Política

‘Homem da mala’ negociou cargos com Temer por celular, diz PF

Loures teria trocado mensagens com Temer em 2014

Joaquim Padilha Publicado em 22/06/2017, às 11h47

None

Loures teria trocado mensagens com Temer em 2014

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB), que foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil de um executivo da JBS, no âmbito de uma operação controlada da Polícia Federal, teria trocado mensagens com o presidente Michel Temer (PMDB) negociando cargos no governo.

Essa é a conclusão da Polícia Federal, que realizou uma perícia no celular do ex-deputado. Loures teria enviado as mensagens em 2014, segundo a PF. O conteúdo foi apagado, mas mesmo assim a Polícia conseguiu obter o conteúdo das conversas.

Em uma das mensagens, Loures diz que teve “uma ótima conversa com Henrique”, ao pedir para “permanecer em Brasília”. O ex-deputado diz que o ex-ministro Henrique Alves (PMDB) teria sugerido nomea-lo como vice-presidente da Caixa Econômica.

“Michel, acabo de ter ótima conversa com Henrique. Pedi a ele apoio para permanecer em Brasília. Ele concordou e sugeriu a VP [vice-presidência] Caixa ocupada anteriormente pelo Moreira. Ressaltou-me que pelo meu perfil e estilo posso ajudá-Io e apoiá-lo (agora e no futuro)”,  diz uma das mensagens.'Homem da mala' negociou cargos com Temer por celular, diz PF

Em outra mensagem de celular, Loures diz a Temer: “Michel, pode ser [uma nomeação na Hidrelétrica de] ltaipu. ldealmente, como sabe, gostaria de estar em Brasília ao seu lado servindo nosso governo, ao PMDB e ao Paraná. O que você decidir está bom para mim”, ressalva o peemedebista.

A assessoria do presidente Michel Temer nega ter conversado com Loures sobre possíveis nomeações para a Caixa Econômica ou para Itaipu. O ex-deputado foi assessor especial de Temer na Presidência da República.

Loures deixou a assessoria de Temer para ser deputado federal, em cargo como suplente do ex-ministro Osmar Serraglio (PMDB). Ele perdeu o mandato depois de Serraglio ter deixado o Ministério da Justiça e voltado para a Câmara como deputado.

(com supervisão de Evelin Cáceres)

Jornal Midiamax