Política

Estado e Prefeitura firmam convênio de R$ 20 milhões para tapar buracos

Rose e Marquinhos tiveram 1º encontro oficial após eleição

Ludyney Moura Publicado em 10/01/2017, às 13h39

None
f7ca8aee-92d4-4812-a763-24e6ec6f73f8.jpg

Rose e Marquinhos tiveram 1º encontro oficial após eleição

O Governo do Estado e a Prefeitura de Campo Grande definiram os valores para o primeiro convênio entre as partes para tapar os buracos que tomam conta das ruas da Capital, serão R$ 20 milhões de investimento, metade de cada um partícipes.

Marquinhos revelou que o total de investimentos para obras de recapeamento e tapa-buracos na Capital, oriundos da parceria com governo estadual, chegará a R$ 50 milhões.  O primeiro convênio deverá ser assinado no próximo dia 19 de janeiro.

“Está é uma medida paliativa, necessária devido a situação da cidade”, explicou o prefeito. Segundo ele, por enquanto o dinheiro será usado exclusivamente para ações de tapa-buraco, os R$ 30 milhões que faltam deverão ser aplicados no recapeamento, todavia, ainda não prazo para que isso aconteça.

“Em dois anos de governo estadual não tivemos diálogo com a gestão anterior, como estamos tendo agora. Admiro a humildade do prefeito Marquinhos em nos procurar e essa será a primeira de muitas parceiras que faremos”, afirmou a governadora em exercício, Rose Modesto (PSDB).

Segundo a tucana, nos últimos dois anos o governo estadual já investiu cerca de R$ 500 milhões em parcerias com 78 municipios do Estado. “Mas, não foi possível fazer (convênio) em Campo Grande”, frisou Rose.

O prefeito disse que espera conseguir os R$ 10 milhões para o convênio, parte da Prefeitura, do ‘enxugamento’ que vem fazendo nas contas do município, bem como no incremento que o caixa terá com o pagamento do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano).

Apesar dos esforços, Marquinhos destacou que há um cláusula no contrato a ser assinado com o governo estadual que prevê o parcelamento dos R$ 10 milhões em até 4 vezes. “É o Estado rico e a Prefeitura pobre’, brincou o prefeito.

O secretário estadual de infraestrutura, Marcelo Miglioli, revelou que o recurso do governo é oriundo do Fundersul.

Clima

No primeiro encontro formal após o fim das eleições, Rose e Marquinhos, que se enfrentaram no 2º turno do pleito de outubro de 2016, fizeram questão de destacar que o ‘processo de disputa política’ terminou “no dia em que se encerrou as eleições”, disse a tucana. 

Jornal Midiamax