Política

Diretor da Funsat diz que município e Solurb tem pessoal para mesmo serviço

Economia com uso de Proinc pode chegar a R$ 1,5 milhão  

Ludyney Moura Publicado em 21/03/2017, às 14h05

None
54f826ef-8777-4466-b191-a4ffc4b7bc6a.jpg

Economia com uso de Proinc pode chegar a R$ 1,5 milhão

O diretor-presidente da Funsat (Fundação Municipal do Trabalho), Cleiton Franco, esteve na Câmara da Capital para pedir urgência no projeto de lei que regulamenta o Proinc (Programa de Inclusão Profissional), um programa da Prefeitura que poderia gerar economia nas despesas mensais com a Solurb.

De acordo com Franco, alguns dos serviços desempenhados pela concessionária responsável pela coleta do lixo, a Solurb, podem ser realizados pelos alunos do Proinc, como a varrição de ruas, o que geraria uma economia mensal de pelo menos R$ 1,5 milhão.

“Porque vou pagar alguém para fazer café para mim se a minha mulher pode fazer?”, exemplificou o diretor da Funsat.

O Proinc é um programa de inclusão para quem está desempregado e com renda familiar de até 1,5 salário mínimo, e sem registro em carteira por pelo menos três meses. O programa inclui cursos de pintura de rua, limpeza, jardinagem, pedreiro, pintor, eletricista, varreção de ruas e lugares públicos e corte e costura. Os alunos fazem um dia de curso e trabalho nos outros quatro dias da semana para o município.

Cleiton explicou que o programa não é um emprego, e que tem um tempo máximo de permanência de até 24 meses, e neste período o aluno recebe um salário mínimo e um sacolão como ajuda de custo mensal.

Como o Proinc está, segundo a Funsat, sem regulação, algumas pessoas estão há seis anos trabalhando. A intenção da Prefeitura é estipular tempo máximo de permanência com encaminhamento para o mercado de trabalho.

Os vereadores incluíram uma emenda no projeto estipulando o número de vagas a 10% do total de funcionários do município (levantamento que a Câmara ainda não recebeu da atual gestão), que até o fim da última administração era de cerca de 21 mil servidores.  

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) revelou que há uma previsão contratual para que os serviços de capinagem e limpeza de rua seja retirado das mãos da Solurb, o que geraria economia ao município, atendendo a política de contenção de gastos assumida pela atual gestão. O projeto deverá ser votado ainda na sessão desta terça-feira (21). 

Jornal Midiamax