Política

Cunha deve fechar delação contra Temer e ministros na próxima semana

Delação pode dar origem a nova denúncia contra Temer

Joaquim Padilha Publicado em 06/07/2017, às 14h52

None

Delação pode dar origem a nova denúncia contra Temer

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) está na prisão finalizando os textos do seu acordo de delação premiada que pretende fechar com a Operação Lava-Jato. Procuradores afirmam que as negociações vão bem, e que os documentos devem ser entregues já na próxima semana.

Cunha promete envolver na delação os nomes do presidente Michel Temer (PMDB), do ministro Moreira Franco (Secretaria Geral), Eliseu Padilha (Casa Civil) e o senador Romero Jucá (PMDB).

O rascunho da delação já teria mais de cem anexos, segundo a Folha de S. Paulo. Os anexos são resumos que explicam negociações com políticos e empresas, que devem ser explicados na delação à Lava-Jato.

A delação de Cunha tem a promessa de estremecer as estruturas do atual governo, comandado pela cúpula do PMDB, da qual o ex-deputado fazia parte. O grupo atuou para o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), liderado na Câmara por Cunha.Cunha deve fechar delação contra Temer e ministros na próxima semana

Além de estar envolvido em negociações políticas, Cunha também participou de esquemas para arrecadação de recursos para campanhas eleitorais do PMDB, e no recebimento de propinas. O peemedebista afirma ter provas sólidas para as acusações.

As informações prestadas pelo ex-deputado podem balizar a próxima denúncia do procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer. O procurador pretende entregar uma segunda denúncia ao STF (Supremo Tribunal Federal) até o fim de seu mandado, em setembro.

Jornal Midiamax