Política

Câmara da Capital mantém veto à ‘Parada LGBT’ no calendário oficial

Dos 29 vereadores, 19 vetaram projeto

Evelin Cáceres Publicado em 28/09/2017, às 16h07 - Atualizado em 20/07/2020, às 01h48

None

Dos 29 vereadores, 19 vetaram projeto

Dos 29 vereadores de Campo Grande, 19 foram contrários à inclusão da ‘Parada LGBT’ no calendário oficial de eventos da cidade durante votação na sessão desta quinta-feira (28) na Câmara. Apenas nove quiseram derrubar o veto do prefeito Marquinhos Trad ao projeto de lei.

Os vereadores Delegado Wellington (PSDB), Dr. Lívio (PSDB), João César Mattogrosso (PSDB), Valdir Gomes (PP), Dr. Loester (PMDB), Carlão (PSB), Enfermeira Cida (Podemos), Eduardo Romero (Rede) e Ademir Santana (PDT) votaram para que o projeto se tornasse lei, mas os outros 19 vereadores apoiaram o prefeito e mantiveram o veto.

Segundo Trad, o projeto vetado onera o município, já que coloca a Prefeitura como responsável por coordenar e organizar o evento, que deveria acontecer sempre no 3º sábado de setembro. Ele afirmou que não vai aprovar projetos nesse sentido de nenhum segmento. “Não é justo, além do mais (o país) está em crise (econômica)”. O prefeito citou como exemplo que vetou a Semana do Autista, também acarretava gastos para Prefeitura.

Segundo ele, o Projeto da Macha para Jesus, aprovado em 2003 por Puccinelli, e que entrou no calendário oficial todo dia 26 de agosto, tem a organização sob responsabilidade dos evangélicos.Câmara da Capital mantém veto à ‘Parada LGBT’ no calendário oficial

“Não existe isso de preconceito”, frisou. Segundo o Chefe do Executivo, se fica à cargo da Prefeitura ela que decide toda organização, inclusive a realização ou não. “Se entra outro prefeito radical, ele pode proibir de fazer”, exemplificou Trad.

O Enfermeiro Fritz (PSD), contrário à inclusão da Parada LGBT no calendário, afirmou que tem que manter a coerência. “Tem que ter projeto para todos os eventos voltados para as minorias. Os grupos que precisam custear a organização e o prefeito prometeu refazer o projeto com essa mudança”, explicou. 

Jornal Midiamax