Política

VÍDEO: protesto por impeachment reúne 110 caminhões na Capital

Preço do combustível e condição da estrada são alvos de queixa

Kemila Pellin Publicado em 18/03/2016, às 17h36

None
img-20160318-wa0080.jpg

Preço do combustível e condição da estrada são alvos de queixa

Cerca de 110 caminhões participaram de uma carreata, percorrendo algumas das principais avenidas de Campo Grande, em protesto ao atual governo, durante o começo da tarde desta sexta-feira (18). Além de pedirem pela saída da presidente Dilma Rousseff, os manifestantes 'clamaram' por melhorias nas rodoviais federais e preço mais justo nos combustíveis.

Veja o vídeo aqui

Há 16 anos na estrada, o caminhoneiro Laudinei Souza de Araújo, afirma que nunca viu as rodovias na situação precária que estão hoje. “Eu viajo transportando combustível, que por si só já é uma carga perigosa, e as estradas são só buracos. Estão intransitáveis, não tem condições. E o combustível está cada vez mais caro. Ou seja, nos enchem de impostos e não oferecem nada em troco”, afirmou.

Moacir Ireno da Silva, que há 12 anos faz o trajeto entre São Paulo e Campo Grande, transportando compensado, também citou o combustível como 'o vilão da vez'. “Está cada dia mais caro. A situação está cada vez pior”, afirmou.

O motorista ainda citou que a volta do militarismo poderia ser uma alternativa para 'melhorar o país'. “Tem que ter um general para comandar esse pais, porque naquela época podíamos dormir de porta aberta e nada acontecia” destacou. 

O diretor presidente do sindicato, Cláudio Cavol destacou que a população não pode descansar. "Nós não podemors sentar na frente da tevê e ficar olhando, Nós temos que sair para as ruas e com isso, ou o governo melhora, ou sai de cena e deixa alguém competente entrar no lugar", frisou.

Protesto

Os caminhoneiros se reuniram nos altos da Avenida Afonso Pena, em frente a Cidade do Natal, de onde saíram ás 13h40. O Setlog (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística), que está a frente do movimento, estima que pelo menos 70 caminhões participem do ato, que tem como destino final a Avenida João Arinos, em frente a prédio do Garras (Grupo Armado de Resgate e Repressão a Assaltos e Sequestros).

A carreata deve sair da Cidade do Natal sentido Praça do Rádio, seguir pela Pedro Celestino, Fernando Corrêa, Joaquim Murtinho e por fim, Avenida João Arinos.

Jornal Midiamax