Política

Vereador volta atrás e pede retirada do termo “Alcides Infernal” da ata de sessão

Durães já responde representação por falta de decoro parlamentar

Midiamax Publicado em 28/06/2016, às 16h58

None
robertoduraes.jpg

Durães já responde representação por falta de decoro parlamentar

Novamente o vereador Roberto Durães (PSC) usou termos ofensivos para se referir ao atual prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP) e voltou atrás em suas falas. Após citar “Alcides Infernal” quando questionava licitação de uniformes escolares, o parlamentar voltou ao microfone, pedindo que sua citação fosse retirada da ata da sessão ordinária desta terça-feira (28).

A conduta do vereador durante as sessões já lhe rendeu pedido de cassação que segue em análise na Comissão de Ética da Casa. Ele é acusado de quebra de decoro parlamentar após dizer que conhecia a mãe do atual prefeito “no silêncio dos edredons”. Isso aconteceu em maio deste ano.

Questionado sobre a postura do vereador, o presidente da Câmara Municipal, João Rocha (PSDB) disse apenas que não pode se responsabilizar pelas falas de outros parlamentares. “Cabe à procuradoria analisar o caso e se posicionar. Não tenho responsabilidade sobre a conduta dos colegas, cada um sabe o que faz”, disse.

Durães, que evita a imprensa desde que as suas falas sobre a mãe do prefeito ganhou grande repercussão, não quis comentar sobre o caso, apenas se dirigiu ao microfone e pediu para que o termo “Alcides Infernal” fosse retirado da ata do dia.

Comissão de Ética

O parlamentar foi alvo de inúmeras críticas após ofensa à moral da mãe do prefeito Alcides Bernal (PP), dizendo que conhecia a idosa 'no silêncio dos edredons'. Após isso, ele fez pedido de desculpas e também pediu para que a frase fosse retirada de ata, ainda assim, vários pedidos foram protocolados na Casa pedindo sua cassação.

Os documentos foram analisados pela Procuradoria Geral da Casa e repassados para Comissão de Ética da Casa, que decidiu dar prosseguimento em representação contra o vereador. No último dia (22) a Comissão estipulou prazo de dez dias para que Durães apresente sua defesa. 

Jornal Midiamax