Política

STF suspende coleta de provas no inquérito que investiga Aécio Neves

Enviou o inquérito de volta ao procurador-geral 

Diego Alves Publicado em 12/05/2016, às 22h25

None
dm50alj1zumgi2xq73mni3abj.jpg

Enviou o inquérito de volta ao procurador-geral 

O novo ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Romero Jucá, informou hoje (12), após sua posse no Palácio do Planalto, que o presidente interino Michel Temer convocou para amanhã (13), às 9h, a primeira reunião ministerial para discutir as primeiras medidas do governo e que deverão ser anunciadas na próxima semana. 

De acordo com o ministro, os projetos prevendo reajuste para o funcionalismo público e negociados com o governo anterior serão mantidos. “Vamos trabalhar pela aprovação desses projetos, porque pacto firmado tem de ser cumprido e governo tem de ter palavra”, afirmou.

Jucá acrescentou que a proposta é trabalhar para reduzir o número de cargos de confiança, melhorar e qualificar as despesas do governo. “O gasto público tem de ser feito com responsabilidade. O dinheiro é pouco. Portanto, tem de ser bem aplicado em prol da melhoria da população.”

Jucá reafirmou que Temer quer aprovar rapidamente a meta fiscal encaminhada pelo governo Dilma, que prevê défict de R$ 96 bilhões, para que não haja paralisação das atividades do Executivo. Segundo ele, o assunto será tratado com o Congresso Nacional a partir da próxima semana.

“A ideia é aprovar a meta fiscal encaminhada pelo antigo governo, de R$ 96 bilhões de deficit, de modo que a gente possa mergulhar nos números e ter um quadro realista da situação até o fim do ano.”

Para o ministro, o governo precisa retomar a estabilidade econômica e política. “A segurança jurídica tem de voltar a dar garantias aos investidores internos e externos. Temos o grande desafio de reverter o quadro inflacionário e o desemprego. Isso só se fará com crescimento econômico e com expectativa positiva”, concluiu.

Jornal Midiamax