Política

Sobrinho de Zeca que polemizava por defender Dilma fracassa nas eleições

Marcelo Heitor conquistou 504 votos; "surpreendeu-me muito", disse ele

Celso Bejarano Publicado em 03/10/2016, às 13h24

None
marcelo_heitor.jpg

Marcelo Heitor conquistou 504 votos; "surpreendeu-me muito", disse ele

O candidato a vereador em Campo Grande Marcelo Heitor, do PC do B, que despertou polêmica durante sua campanha ao defender, pelas redes sociais, o governo de Dilma e atacar o suposto golpe sofrido pela ex-presidente, deu-se mal nas urnas.

Sobrinho do ex-governador Zeca do PT, Marcelo conquistou apenas 504 votos e ficou na posição 178, bem longe dos eleitos. O primeiro colocado, por exemplo, André Salineiro, do PSDB, obteve 8.776 votos e a 29ª eleita, a enfermeira Cida Amaral, do PTN, foi votada 1.929 vezes. Para Marcelo, o “momento político no Brasil é da política da direita”, daí seu fracasso eleitoral.

O candidato disse que não vai mudar sua postura e manter um posicionamento contrário ao que chama de golpe o impeachment da presidente Dilma. Contudo, disse que seu partido, e as siglas tidas como de esquerda, deve “reorganizar daqui em diante”.

“Surpreendeu-me muito e de forma negativa a minha votação. Achei que faria uma votação para pelo menos brigar por uma vaga na Câmara”, disse Marcelo.

O sobrinho de Zeca afirmou que não vai desistir da política e retoma candidaturas, em 2018, ou 2020.

Mas ele acha que os partidos ligados à política de esquerda devem descobrir “onde foi o erro porque houve erro”.

“Foi uma derrota muito forte, não só aqui, mas no Brasil inteiro. Entendo que fui mal votado, aceito o resultado. E desejo desde já muita sorte aos eleitos”, pontuou Marcelo.

O candidato do PC do B disse ter gastado em torno de R$ 20 mil na campanha, dinheiro arrecadado com a família, segundo ele.

POLÊMICAS

Ano passado, em março, mês que a então presidente Dilma sofreu protestos pelo Brasil afora, o sobrinho de Zeca gravou um vídeo em que ironizou a exaustão os manifestantes.

Ele disse, entre outras coisas, que a “Dilminha tá lá”, que é “delicioso ganhar da direitinha”, e ainda que “Lulinha vem aí em 2018”.

Jornal Midiamax