Política

Si se puede: conversa no Whatsapp em ‘espanhol’ na fronteira acaba no TRE

Tucano acionou rival do PDT em representação judicial

Ludyney Moura Publicado em 05/09/2016, às 13h06

None
zapfronteira.jpg

Tucano acionou rival do PDT em representação judicial

A disputa pela Prefeitura de Ponta Porã, na fronteira do Brasil com o Paraguai, se mistura com a realidade paraguaia, e até matérias em língua espanhola viram caso de representação na Justiça Eleitoral.

O coligação do candidato do PSDB, Hélio Peluffo, acionou a justiça contra seu adversário, o atual prefeito, Ludimar Novais (PDT), acusando apoiadores do pedetistas de disseminar conteúdo ofensivo ao tucano em grupo de Whatsapp.

O que chama atenção na representação dos advogados de Peluffo é que a reclamação partiu depois que um grupo, que reunia brasileiros e paraguaios, identificado em castelhano, divulgou matérias que supostamente ofendiam o tucano.

Para a defesa do PSDB, ‘houve a divulgação da matéria em site, em língua espanhol, cujo conteúdo também lhe foi inverídico e ofensivo’.

Para o juiz da 19ª Zona Eleitoral, a representação, que anexou conversas de Whatsapp em espanhol, não é irregular. “Sem contar que a notícia veiculada em língua estrangeira parece ter sido veiculado em site com endereço paraguaio, o que exige seja a matéria mais debatida”, pontua a decisão.

O magistrado ainda se baseia na liberdade de pensamento. “Assim como a opinião do eleitor sobre determinado candidato, ainda que desfavoráveis a ele, especialmente durante o período eleitoral, mormente ao se considerar que não revelada, neste instante, a relação dos representados com a coligação representada a ponto de se falar em propaganda irregular”, escreveu o juiz ao indeferir o pedido dos tucanos de proibir veiculação de material ofensivo a Peluffo em ‘qualquer meio de comunicação’. 

Jornal Midiamax