Política

Sem 13º, servidores vão à Prefeitura e cobram posicionamento de Bernal

Prazo legal para pagamento vence nesta terça-feira 

Midiamax Publicado em 20/12/2016, às 19h05

None
protesto.jpg

Prazo legal para pagamento vence nesta terça-feira 

Nesta terça-feira (20), vence o prazo legal para que as Prefeitura Municipal de Campo Grande realize o pagamento do 13º salário dos servidores, mas o prefeito Alcides Bernal (PP) ainda não se posicionou a respeito. A falta de respostas motivou um grupo de cerca de 30 pessoas a ir até a frente do Paço Municipal para pressionar o prefeito.

Entre os manifestantes, estão especialmente funcionários contratados via Seleta e Omep, que além do décimo, também vivem a incerteza da manutenção do trabalho, diante de decisão judicial que determinou a suspensão de todos os contratos com as entidades.

A servidora Regina de Souza, por exemplo, explica que trabalhou durante três anos no CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) e que não tem muita expectativa de receber o benefício, mesmo sendo prazo final. “A esperança não é muito grande. Tem a questão do judiciário que vai entrar em recesso e só vai responder ações urgentes. Mas estamos tentando pressionar, pois temos direito a respostas”, disse.

O grupo garantiu que deve permanecer em frente a Prefeitura até conseguirem posicionamento oficial do prefeito. Ontem (20), Bernal (PP) anunciou que se reuniria nesta terça-feira (20) com o presidente do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), desembargador João Maria Lós. Contudo, segundo assessoria de imprensa da Corte, conforme agenda pré-definida, Lós está fora da cidade desde o fim de semana.

Além disso, mesmo que ele estivesse na Capital, o Judiciário está em recesso desde segunda-feira (19) e por lei ficam restritas as deliberações, resumindo-se apenas as decisões urgentes. Bernal disse durante agenda pública que iria ao TJ-MS se reunir com o presidente para tratar de alguns assuntos.

A assessoria de imprensa do Município informou que estava tentando reunião com João Maria Lós, mas se não for possível, será com o desembargador de plantão. O prefeito vem ressaltando dificuldades financeiras na Prefeitura e já sugeriu possibilidade do parcelamento. Ele também havia se comprometido em falar sobre o pagamento do benefício.

Protesto no Fórum 

Ontem (19) um grupo, com aproximadamente 10 pessoas, montou acampamento em frente ao Fórum de Campo Grande. Também são funcionários contratados pelos convênios Omep e Seleta, que, incertos sobre rescisão trabalhista determinada pela Justiça, protestam até um acerto oficial ou a garantia dos trabalhos de volta. Eles garantem que não deixarão o local, mesmo se chover.

Segundo os manifestantes, cerca de 50 pessoas continuarão no local em regime de revezamento até uma resolução definitiva sobre as demissões. 

Jornal Midiamax