Política

‘PT é aliado do golpismo’, diz pré-candidato trocado por aliança com PMDB

Petistas de Dourados apoiam candidatura de Renato Câmara

Midiamax Publicado em 10/08/2016, às 13h27

None
damiao_duque.jpg

Petistas de Dourados apoiam candidatura de Renato Câmara

Ex-reitor da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Damião Duque de Farias afirma que o PT (Partidos do Trabalhadores) “tornou-se aliado do golpismo” quando decidiu apoiar o PMDB em detrimento de sua candidatura própria à Prefeitura de Dourados, município a 228 quilômetros de Campo Grande e que a sigla já governou por dois mandatos consecutivos com Laerte Tetila (2001 a 2008).

Na manhã desta quarta-feira (10), Damião publicou uma nota pública em sua página pessoal no Facebook, sob o título “Pai, afasta de mim esse cálice”!. Pré-candidato à prefeitura, ele teve o projeto apoiado por 50 votos durante a convenção partidária realizada no dia 4 deste mês, mas acabou derrotado por 56 delegados da sigla que votaram pela coligação com o PMDB, que lançou o deputado estadual Renato Câmara para disputar a sucessão de Murilo Zauith (PSB).

“O Partido dos Trabalhadores de Dourados, ao apoiar uma candidatura do PMDB, tornou-se aliado do golpismo!”, disparou Damião, que teceu uma breve análise sobre a conjuntura política nacional. “A sociedade brasileira vive, nos últimos meses, uma de suas maiores crises, caracterizada, mais uma vez, pela articulação e perpetração de um golpe político contrário à democracia, à vontade e aos anseios populares expressos nas urnas”, pontuou.

Após criticar “um conluio de forças políticas, midiáticas e judiciárias” com participação do presidente interino Michel Temer (PMDB) para “interromper o legítimo mandato da Presidente Dilma Rousseff, e em perseguir as lideranças do PT, inclusive do seu Presidente de Honra, Luiz Inácio da Silva – o Lula”, o ex-reitor da UFGD questiona: “Ora, ‘como beber dessa bebida amarga’”?

Na avaliação de Damião Duque de Farias, “apoiar eleitoralmente este conjunto de forças é reforçar o golpismo e é, ao mesmo tempo, virar-se de costas para a militância de esquerda, a juventude, as mulheres, os artistas e militantes da cultura, a classe média progressista, que resistem e resistirão, outra vez, à escuridão da noite antidemocrática, à imposição da força, à negação dos direitos e à logica da opressão”.

“O que fazer neste cenário de retrocessos, declínio, doenças, vícios e de acovardamento das nossas principais lideranças políticas, que sucumbiram ao canto da sereia e das negociatas políticas, contrariando o desejo da militância e de amplos setores da sociedade que desejam construir um projeto político para Dourados, baseado no reconhecimento e na construção do Direito à Cidade?”, questionou, para responder em seguida: “Atordoados, não podemos beber esse cálice!”.

A nota pública assinada pelo professor Damião Duque de Farias “e apoiadores da proposta de candidatura própria” encerra avaliando que “mataram a flor da esperança, mas não o jardim e… o sonho, de uma Dourados mais humana e igualitária, irromperá, mesmo no solo infértil da pequenez política”.

“Vamos permanecer atentos frente ao ‘monstro da lagoa’! Continuaremos em luta, contra todo tipo de Golpe. Os que retiram direitos conquistados e os que vetam o direito à conquista de novos direitos. Cerraremos fileiras na defesa da Política, que denuncia e propõem a superação das injustiças, que combate todo tipo de discriminação e preconceito e que aponte na direção de novas práticas políticas”, anunciou.

Leia a nota na íntegra:

Nota Pública sobre a aliança eleitoral entre PT e PMDB em Dourados-MS

“Pai, afasta de mim esse cálice”!

O Partido dos Trabalhadores de Dourados, ao apoiar uma candidatura do PMDB, tornou-se aliado do golpismo!

A sociedade brasileira vive, nos últimos meses, uma de suas maiores crises, caracterizada, mais uma vez, pela articulação e perpetração de um golpe político contrário à democracia, à vontade e aos anseios populares expressos nas urnas.

Em um conluio de forças políticas, midiáticas e judiciárias, destaca-se a personalidade do afastado Presidente Nacional do PMDB e Vice-Presidente da República: Michel Temer. Nota-se, também, a proeminência da atuação de parlamentares e do presidente do PMDB, de Mato Grosso do Sul, em interromper o legítimo mandato da Presidente Dilma Rousseff, e em perseguir as lideranças do PT, inclusive do seu Presidente de Honra, Luiz Inácio da Silva – o Lula.

Ora, “como beber dessa bebida amarga”? Apoiar eleitoralmente este conjunto de forças é reforçar o golpismo e é, ao mesmo tempo, virar-se de costas para a militância de esquerda, a juventude, as mulheres, os artistas e militantes da cultura, a classe média progressista, que resistem e resistirão, outra vez, à escuridão da noite antidemocrática, à imposição da força, à negação dos direitos e à logica da opressão.

O que fazer neste cenário de retrocessos, declínio, doenças, vícios e de acovardamento das nossas principais lideranças políticas, que sucumbiram ao canto da sereia e das negociatas políticas, contrariando o desejo da militância e de amplos setores da sociedade que desejam construir um projeto político para Dourados, baseado no reconhecimento e na construção do Direito à Cidade?

Atordoados, não podemos beber esse cálice!

Mataram a flor da esperança, mas não o jardim e… o sonho, de uma Dourados mais humana e igualitária, irromperá, mesmo no solo infértil da pequenez política.

Vamos permanecer atentos frente ao “monstro da lagoa”! Continuaremos em luta, contra todo tipo de Golpe. Os que retiram direitos conquistados e os que vetam o direito à conquista de novos direitos.

Cerraremos fileiras na defesa da Política, que denuncia e propõem a superação das injustiças, que combate todo tipo de discriminação e preconceito e que aponte na direção de novas práticas políticas.

Prof. Damião Duque de Farias e apoiadores da proposta de candidatura própria.

Jornal Midiamax