Política

Planejar aumento para servidores agora seria insanidade, alerta Márcio Monteiro

Se País melhorar, governo pode criar expectativa de rever proposta

Jessica Benitez Publicado em 23/11/2016, às 19h30

None
monteiro.jpg

Se País melhorar, governo pode criar expectativa de rever proposta

O secretário de Estado de Fazenda, Márcio Monteiro, vai a Brasília nesta quinta-feira (24) junto com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) para discutir assuntos relacionados à PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 55, que pode, entre muitas outras coisas, congelar o reajuste dos servidores. De qualquer forma, ressalta que pensar em começar a planejar aumento salarial, seria insanidade, dada a crise que assola o País.

Monteiro alega que o assunto começou a ser ventilado, contudo não sabe na íntegra o teor da proposta. Observa que diante da crise vivida pelo Brasil, PIB (Produto Interno Bruto) com elevação pífia e a previsão de receita não crescente, “não sobra aí oportunidade pra gente começar a planejar aumentos. O que seria uma insanidade hoje o Estado fazer, certamente iria refletir diretamente no próprio servidor uma irresponsabilidade dessa”.

Destacou, ainda, que só se houver mudança no cenário econômico, com melhoria no PIB e ações começarem a acontecer no Brasil, “gera expectativa que a gente possa estar revendo melhorias até pleiteadas pelos servidores”. Contudo avaliou que a cabe tanto aos servidores, quanto ao Estado, servir a população.

Sobre a possibilidade de reduzir o número de comissionados estaduais em 20%, o titular da Fazenda preferiu não revelar detalhes. Ele se limitou a falar que no momento oportuno os ajustes e medidas serão adotados. Há poucas semanas o governador anunciou que pretende ‘enxugar a máquina pública’, isso inclui reduzir comissionados e secretarias.  

Jornal Midiamax